Mercado fechará em 1 h 34 min
  • BOVESPA

    95.548,77
    +180,02 (+0,19%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    36.935,57
    -458,14 (-1,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    35,91
    -1,48 (-3,96%)
     
  • OURO

    1.867,70
    -11,50 (-0,61%)
     
  • BTC-USD

    13.525,28
    +369,91 (+2,81%)
     
  • CMC Crypto 200

    265,74
    +23,06 (+9,50%)
     
  • S&P500

    3.302,70
    +31,67 (+0,97%)
     
  • DOW JONES

    26.602,42
    +82,47 (+0,31%)
     
  • FTSE

    5.581,75
    -1,05 (-0,02%)
     
  • HANG SENG

    24.586,60
    -122,20 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    23.331,94
    -86,57 (-0,37%)
     
  • NASDAQ

    11.314,50
    +181,75 (+1,63%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7351
    +0,0007 (+0,01%)
     

BofA faz progresso em diversidade e vê mais trabalho à frente

Lananh Nguyen
·2 minutos de leitura

(Bloomberg) -- O Bank of America se aproximou de suas metas de diversidade no ano passado e disse que reconhece que mais precisa ser feito.

A representação racial e de gênero aumentou na maioria das áreas da empresa, inclusive entre a alta administração, de acordo com dados o banco divulgados nesta sexta-feira. Ainda assim, a porcentagem de mulheres nas três camadas superiores da empresa permaneceu inalterada em relação ao ano anterior em 41%.

“Nossos objetivos de diversidade são muito simples: com o tempo, queremos refletir os clientes e as comunidades em que operamos”, disse Sheri Bronstein, diretora de recursos humanos do banco em entrevista. “Equipes diversas geram melhores resultados. Queremos que as pessoas vejam o progresso que fizemos e reconheçam que temos mais trabalho a fazer.”

O assassinato de George Floyd em maio gerou um clamor global, e o Bank of America anunciou em junho uma promessa de direcionar US$ 1 bilhão em quatro anos para combater a desigualdade racial e econômica. O Citigroup disse que vai gastar a mesma quantia ao longo dos próximos três anos em esforços para combater a disparidade de riqueza racial, e outros bancos anunciaram iniciativas filantrópicas semelhantes. Ainda assim, os críticos dizem que Wall Street tem contribuído para as disparidades de renda racial e tem sido muito lenta em diversificar suas fileiras.

No Bank of America, pessoas que não são brancas representavam 19% dos gerentes executivos ou de nível sênior no ano passado, ante 15% em 2015. E representavam 37% dos gerentes de nível médio contra 33% em 2015. Os números excedem a referência para serviços financeiros da Comissão de Oportunidades Iguais no Emprego dos EUA, disse o banco.

A equipe latina representou 17,9% da força de trabalho total no ano passado, e os empregados negros representaram 13,1%. Os latinos representam 18,5% da população dos Estados Unidos, enquanto os afro-americanos representam 13,4%, de acordo com dados do censo.

A diversidade é uma métrica de desempenho para os gerentes do banco, ao lado de metas como receita e gerenciamento de risco, disse Bronstein.

As empresas estão sob pressão para divulgar os dados de gênero e raça que compartilham confidencialmente com o governo federal a cada ano.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.