Mercado abrirá em 1 h 13 min
  • BOVESPA

    110.140,64
    -1.932,91 (-1,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.874,91
    -1.144,00 (-2,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    75,80
    -0,08 (-0,11%)
     
  • OURO

    1.923,90
    -6,90 (-0,36%)
     
  • BTC-USD

    23.437,55
    -361,34 (-1,52%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,15
    -10,17 (-1,86%)
     
  • S&P500

    4.179,76
    +60,55 (+1,47%)
     
  • DOW JONES

    34.053,94
    -39,02 (-0,11%)
     
  • FTSE

    7.835,92
    +15,76 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.637,00
    -209,75 (-1,63%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5001
    +0,0104 (+0,19%)
     

BofA entra na Justiça para saber quanto a Americanas lhe deve

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O Bank of America (BofA) entrou nesta segunda-feira (16) com recurso na 4ª Vara Empresarial do Rio de Janeiro questionando a tutela que impede o bloqueio de ativos a pedido de credores obtida pela Americanas na última sexta-feira (13), apurou a reportagem. O banco tem contratos de derivativos com a varejista.

O escritório que representa o BofA, o Cescon, Barrieu, Flesch & Barreto Advogados, entrou com embargos de declaração para esclarecer o que apontou como uma omissão da decisão cautelar, quanto ao artigo 193 A da Lei de Recuperação Judicial e Falência, que autoriza o vencimento antecipado e compensações no âmbito de operações de derivativos.

A decisão que suspendeu as cobranças por credores da Americanas por 30 dias teria sido muito ampla ao indicar que "nenhum contrato pode ser vencido", sem abordar a questão dos derivativos -que são contratos financeiros que usam como base um ativo. Um contrato de juros futuros, por exemplo, é um tipo de derivativo.

A informação foi antecipada pelo Valor e confirmada pela reportagem.

O banco poderia liquidar posição do derivativo e apurar crédito e débito das partes, independentemente dessa suspensão por um mês. Na prática, o BofA quer que os contratos possam vencer antecipadamente para que a instituição possa apurar o valor do próprio crédito.

Diferentemente do BTG, o BofA não tem operações de "risco sacado" (financiamento a fornecedores) com a Americanas.

Procurado, o escritório Cescon, Barrieu, Flesch & Barreto Advogados diz que não comenta o caso.

(Colaborou Renato Carvalho, de São Paulo)