Mercado abrirá em 1 h 4 min
  • BOVESPA

    121.113,93
    +412,93 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    62,97
    -0,16 (-0,25%)
     
  • OURO

    1.781,50
    +1,30 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    57.249,36
    +2.413,30 (+4,40%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.299,64
    -92,07 (-6,62%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,67 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.024,07
    +4,54 (+0,06%)
     
  • HANG SENG

    29.106,15
    +136,44 (+0,47%)
     
  • NIKKEI

    29.685,37
    +2,00 (+0,01%)
     
  • NASDAQ

    13.991,00
    -38,50 (-0,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7240
    +0,0379 (+0,57%)
     

BofA eleva previsão para Selic ao fim do ano para 5%; vê taxa de 5,75% em 2022

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO (Reuters) - O Bank of America elevou as previsões para a taxa Selic ao fim de 2021 e 2022, após na véspera o Banco Central surpreender com uma elevação de 0,75 ponto percentual na taxa básica de juros e sinalizar outro aumento na mesma magnitude na próxima reunião.

O BofA espera agora que o juro básico vá a 5% até o fim de dezembro, ante 4% do prognóstico anterior. Com o aumento na quarta, a Selic está agora em 2,75% ao ano.

Para 2022, o cálculo mudou de 5,25% para 5,75%.

"O BCB afirmou não ser mais necessário alto nível de estímulo monetário e, portanto, um ciclo parcial de normalização deve ocorrer", disse o BofA em nota assinada por David Beker e Ana Madeira.

"Segundo o BC, o crescimento do PIB teve uma recuperação consistente no fim de 2020 e as expectativas de inflação estão acima da meta no horizonte da política monetária", acrescentaram.

Na véspera, o BC surpreendeu parte dos analistas ao elevar a Selic em 0,75 ponto percentual, para 2,75% ao ano, na primeira alta de juros em cerca de seis anos. Ainda assim, o falou em "processo de normalização parcial" da política monetária, sugerindo que a taxa não subirá a ponto de zerar o estímulo monetário neste ano.

(Por José de Castro)