Mercado fechará em 8 mins
  • BOVESPA

    130.019,75
    -188,21 (-0,14%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.931,30
    -98,24 (-0,19%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,24
    +1,36 (+1,92%)
     
  • OURO

    1.860,20
    -5,70 (-0,31%)
     
  • BTC-USD

    40.039,68
    +339,06 (+0,85%)
     
  • CMC Crypto 200

    997,48
    -13,13 (-1,30%)
     
  • S&P500

    4.246,69
    -8,46 (-0,20%)
     
  • DOW JONES

    34.288,57
    -105,18 (-0,31%)
     
  • FTSE

    7.172,48
    +25,80 (+0,36%)
     
  • HANG SENG

    28.638,53
    -203,60 (-0,71%)
     
  • NIKKEI

    29.441,30
    +279,50 (+0,96%)
     
  • NASDAQ

    14.032,00
    -92,75 (-0,66%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1160
    -0,0155 (-0,25%)
     

BofA eleva a 5,2% projeção de alta do PIB do Brasil em 2021

·1 minuto de leitura
Consumidores fazem compras em rua comercial de São Paulo

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) - O Bank of America elevou a 5,2% a projeção de crescimento para a economia brasileira em 2021, ante 3,4% do cenário anterior, citando contínua surpresa para cima proveniente de indicadores de atividade.

O banco destacou os indicadores do primeiro trimestre, com a taxa de mobilidade caindo menos que o esperado, apesar da segunda onda de Covid-19, melhor adaptação dos negócios à pandemia e aceleração da vacinação.

A expansão em 2021 vai ser puxada pelo consumo privado, maior investimento e maior saldo comercial devido à força da economia mundial.

"Para o segundo trimestre de 2021, esperamos que a tendência de recuperação continue à medida que as restrições de mobilidade são suspensas", disse o BofA em nota. "Notavelmente, indicadores antecedentes apontam atividade mais forte em abril", acrescentou.

Para 2022, a expectativa é que o PIB cresça 2,1%, mesmo número de antes.

Também nesta terça, o Goldman Sachs elevou acentuadamente nesta terça-feira sua previsão de crescimento para o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro de 2021, para 5,5%, ante 4,6% anteriormente, uma das perspectivas mais altas para a maior economia da América Latina.

O Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil cresceu 1,2% entre janeiro e março, terceiro trimestre seguido de ganhos, mas bem abaixo da alta de 3,2% no quarto trimestre de 2020.