Mercado fechado
  • BOVESPA

    99.605,54
    -1.411,42 (-1,40%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.001,31
    -244,55 (-0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    38,87
    -0,70 (-1,77%)
     
  • OURO

    1.907,50
    -4,40 (-0,23%)
     
  • BTC-USD

    13.666,20
    +46,64 (+0,34%)
     
  • CMC Crypto 200

    270,33
    +9,04 (+3,46%)
     
  • S&P500

    3.390,68
    -10,29 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    27.463,19
    -222,19 (-0,80%)
     
  • FTSE

    5.728,99
    -63,02 (-1,09%)
     
  • HANG SENG

    24.787,19
    -131,59 (-0,53%)
     
  • NIKKEI

    23.485,80
    0,00 (0,00%)
     
  • NASDAQ

    11.539,50
    -48,50 (-0,42%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7181
    +0,0776 (+1,17%)
     

BofA descarta corte adicional na Selic neste ano após divulgação de IPCA

·1 minuto de leitura

BRASÍLIA (Reuters) - O Bank of America elevou nesta sexta-feira sua perspectiva para a inflação neste ano, ao mesmo tempo que passou a descartar corte adicional na taxa básica de juros, prevendo que ela seguirá em 2% até o fim de 2020.

"Esperamos agora que a taxa Selic permaneça estável e termine este ano em 2,00% (de 1,75% antes) dadas as pressões inflacionárias mais altas que reduzem o espaço para outro corte em nossa visão", escreveram o chefe de economia e estratégia para o país do BofA, David Beker, e a economista para Brasil e Chile do banco, Ana Madeira.

Para a inflação medida pelo IPCA, a expectativa subiu a 2,7%, contra 2% antes, em função da recente alta nos preços dos alimentos e dos riscos de uma recuperação econômica mais rápida até o final deste ano.

Mesmo com o ajuste, o percentual segue bem abaixo da meta oficial para o IPCA neste ano, que é de 4,0%, com margem de 1,5 ponto percentual para mais ou para menos, ressaltaram eles.

"No médio prazo, ainda esperamos um cenário inflacionário benigno, devido ao grande hiato do produto e à folga do mercado de trabalho", assinalaram.

O IPCA teve em setembro a maior alta para o mês desde 2003, de 0,64%, pressionado pelo aumento dos preços de alimentos, informou nesta sexta-feira o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Nos 12 meses até setembro, o IPCA acumulou alta de 3,14%, frente a 2,44% nos 12 meses até agosto. A inflação do mês veio acima das expectativas de analistas, que previam aumento de 0,54% em setembro sobre agosto e de 3,03% em 12 meses.

(Por Marcela Ayres)