Mercado abrirá em 6 h 24 min
  • BOVESPA

    128.427,98
    -339,48 (-0,26%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.170,78
    +40,90 (+0,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,37
    +0,29 (+0,40%)
     
  • OURO

    1.777,00
    -6,40 (-0,36%)
     
  • BTC-USD

    32.945,06
    -1.145,00 (-3,36%)
     
  • CMC Crypto 200

    794,55
    -15,64 (-1,93%)
     
  • S&P500

    4.241,84
    -4,60 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    33.874,24
    -71,34 (-0,21%)
     
  • FTSE

    7.074,06
    -15,95 (-0,22%)
     
  • HANG SENG

    28.880,18
    +63,11 (+0,22%)
     
  • NIKKEI

    28.875,23
    +0,34 (+0,00%)
     
  • NASDAQ

    14.296,50
    +33,50 (+0,23%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9302
    +0,0017 (+0,03%)
     

BofA aumentará salário mínimo para US$ 25 por hora

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- O Bank of America aumentará seu salário mínimo por hora de US$ 20 para US$ 25 até 2025, de acordo com o CEO Brian Moynihan.

A mudança ocorre na esteira de quatro anos de aumentos salariais que elevaram o salário mínimo da empresa de US$ 15 para US$ 20 por hora em 2020. O banco com sede em Charlotte, na Carolina do Norte, também exigirá que seus fornecedores americanos paguem US$ 15 por hora ou mais aos funcionários que prestam serviços ao banco, anunciou Moynihan em entrevista à CNN. Dentre mais de 2.000 fornecedores com 43.000 funcionários, mais de 99% atendem a essa faixa, disse o banco em outro comunicado.

“Um princípio fundamental do crescimento responsável é o nosso compromisso em ser um ótimo lugar para trabalhar, o que significa investir nas pessoas que atendem nossos clientes”, disse Sheri Bronstein, diretora de recursos humanos do Bank of America, no comunicado. “Isso inclui o fornecimento de salários elevados e benefícios competitivos a fim de ajudá-los e às suas famílias, para que continuemos a atrair e reter os melhores talentos.”

Leia mais: McDonald’s e Amazon ajudam luta por maior salário mínimo nos EUA

Gigantes do varejo, redes de fast-food e empresas de transporte de passageiros estão oferecendo salários mais altos aos funcionários enquanto a economia dos EUA se recupera da pandemia. Bônus de indicação e contratação, raramente necessários antes para preencher cargos de nível básico e de baixa remuneração, agora são comuns. Esses incentivos representam uma marcha lenta, mas constante, em direção a uma meta que parlamentares e ativistas trabalhistas perseguem há anos, com sucesso limitado: um salário mínimo mais alto, chegando a US$ 15 por hora.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos