Mercado fechado
  • BOVESPA

    101.882,20
    -1.831,25 (-1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.904,00
    -294,94 (-0,54%)
     
  • PETROLEO CRU

    75,70
    +1,33 (+1,79%)
     
  • OURO

    1.987,00
    -10,70 (-0,54%)
     
  • Bitcoin USD

    28.498,87
    +394,45 (+1,40%)
     
  • CMC Crypto 200

    621,79
    +7,58 (+1,23%)
     
  • S&P500

    4.109,31
    +58,48 (+1,44%)
     
  • DOW JONES

    33.274,15
    +415,12 (+1,26%)
     
  • FTSE

    7.631,74
    +11,31 (+0,15%)
     
  • HANG SENG

    20.400,11
    +90,98 (+0,45%)
     
  • NIKKEI

    28.041,48
    +258,55 (+0,93%)
     
  • NASDAQ

    13.308,00
    +226,00 (+1,73%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4892
    -0,0664 (-1,20%)
     

Boeing vai contratar 10 mil funcionários em 2023 para aumentar produção

Boeing 737 MAX

Por Valerie Insinna e David Shepardson

WASHINGTON (Reuters) - A Boeing deve contratar 10 mil trabalhadores este ano enquanto se recupera da pandemia e amplia a produção de aviões, afirmou a companhia norte-americana nesta sexta-feira.

A empresa ampliou a força de trabalho em cerca de 14 mil funcionários em 2022, atingindo 156 mil. Nos Estados Unidos, a Boeing emprega aproximadamente 136 mil trabalhadores.

Porém, a companhia afirmou que vai fazer demissões em "áreas de suporte", mas não revelou quantas.

A maior parte das contratações vai ocorrer em unidades de negócios da Boeing, incluindo engenharia e produção, para atendimento à crescente demanda das companhias aéreas.

A Boeing planeja aumentar as entregas do jato 737 MAX de 374 unidades em 2022 para entre 400 e 450 este ano. As entregas do 787 devem somar entre 70 e 80 aeronaves.

A rival europeia Airbus afirmou esta semana que planeja contratar 13 mil funcionários este ano, a maioria na Europa.

Antes da pandemia, no final de 2019, a Boeing empregava 161 mil funcionários. Esse número caiu para cerca de 141 mil em 2020.

"Contratação não é mais uma restrição", disse o presidente-executivo da Boeing, Dave Calhoun, a analistas na quarta-feira.