Mercado abrirá em 6 h 28 min
  • BOVESPA

    114.177,55
    -92,52 (-0,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    55.164,01
    +292,65 (+0,53%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,38
    +0,37 (+0,46%)
     
  • OURO

    1.923,70
    -6,30 (-0,33%)
     
  • BTC-USD

    22.833,60
    -352,94 (-1,52%)
     
  • CMC Crypto 200

    517,08
    -10,11 (-1,92%)
     
  • S&P500

    4.060,43
    +44,21 (+1,10%)
     
  • DOW JONES

    33.949,41
    +205,57 (+0,61%)
     
  • FTSE

    7.761,11
    +16,24 (+0,21%)
     
  • HANG SENG

    22.576,43
    +9,65 (+0,04%)
     
  • NIKKEI

    27.378,29
    +15,54 (+0,06%)
     
  • NASDAQ

    12.039,75
    -67,00 (-0,55%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5103
    -0,0094 (-0,17%)
     

Boeing tem prejuízo maior em 2022, mas primeiro fluxo de caixa livre positivo desde 2018

Boeing 777X

Por Valerie Insinna e David Shepardson

WASHINGTON (Reuters) - A Boeing Co. reportou nesta quarta-feira um prejuízo maior em 2022 devido à fraqueza em sua unidade de defesa e alertou sobre novos problemas na cadeia de suprimentos, mas também relatou seu primeiro fluxo de caixa positivo anual desde 2018.

A fabricante de aviões dos EUA ainda frustrou as expectativas de Wall Street sobre receita e lucro por ação no último trimestre do ano.

O presidente-executivo da Boeing, Dave Calhoun, disse a analistas que a fabricante de aviões ainda enfrenta "uma cadeia de suprimentos difícil, difícil e, embora as entregas médias tenham atingido nossos objetivos, continuamos a enfrentar muitas paradas em nossas linhas ... Portanto, essas paradas, embora estejam diminuindo, não estão onde deveriam estar".

O vice-presidente financeiro da companhia, Brian West, disse que espera que a produção do 787 permaneça baixa por "um pouco mais do que o esperado devido a uma restrição de fornecedor", mas ainda espera aumentar sua taxa de produção para cinco por mês ainda este ano.

A Boeing ratificou planos para entregar até 450 aeronaves 737 MAX de fuselagem estreita e 70 a 80 modelos 787 Dreamliners de fuselagem larga em 2023. A empresa reiterou que espera gerar de 3 bilhões a 5 bilhões de dólares em fluxo de caixa livre em 2023.

Esses números não incluem o tão esperado reinício das entregas de jatos da Boeing para a China. Calhoun se recusou a comentar quando as companhias aéreas chinesas poderiam começar a aceitar aeronaves da Boeing.

“Na China, eles precisam que o MAX voe para atender a essas demandas”, disse Calhoun, que chamou a potencial abertura do mercado chinês de “sério obstáculo” para toda a indústria da aviação.

A Boeing já havia manifestado interesse em remarketing de uma parte dos aviões 737 MAX chineses, mas Calhoun disse nesta quarta-feira que a Boeing "pausaria" seus esforços "para que possamos discernir o que a China quer fazer".

A Boeing divulgou que o prejuízo líquido aumentou para 5 bilhões de dólares em todo o ano de 2022, de perda de 4,3 bilhões de dólares em 2021, enquanto o prejuízo das operações subiu a 3,5 bilhões de dólares em 2022, de 2,9 bilhões de dólares no ano anterior.

A Boeing gerou 3,1 bilhões de dólares em fluxo de caixa livre no último trimestre de 2022. Ela havia previsto cerca de 2,5 bilhões em fluxo de caixa livre para o quarto trimestre. Assim, a Boeing reportou 2,3 bilhões de dólares para todo o ano de 2022.

A receita somou 20 bilhões de dólares no quarto trimestre, quando a companhia teve um prejuízo por ação de 1,75 dólar. Projeções de analistas apontavam receita de 20,38 bilhões de dólares no trimestre e um lucro de 0,26 dólar por ação, segundo dados da Refinitiv.