Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.667,78
    +440,32 (+0,38%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.151,38
    -116,95 (-0,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,55
    +0,33 (+0,52%)
     
  • OURO

    1.802,90
    +5,00 (+0,28%)
     
  • BTC-USD

    49.705,33
    +1.135,70 (+2,34%)
     
  • CMC Crypto 200

    979,60
    -35,32 (-3,48%)
     
  • S&P500

    3.925,43
    +44,06 (+1,14%)
     
  • DOW JONES

    31.961,86
    +424,51 (+1,35%)
     
  • FTSE

    6.658,97
    +33,03 (+0,50%)
     
  • HANG SENG

    29.718,24
    -914,40 (-2,99%)
     
  • NIKKEI

    29.671,70
    -484,33 (-1,61%)
     
  • NASDAQ

    13.326,50
    +24,50 (+0,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5807
    -0,0298 (-0,45%)
     

Boeing retorna ao mercado de títulos para refinanciar dívida

Jack Pitcher
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A Boeing vende títulos pela terceira vez desde abril passado, com o objetivo de refinanciar um balanço patrimonial ainda mais alavancado para manter o fluxo de capital durante a pandemia.

A emissão da fabricante de aviões tem como objetivo pagar um financiamento de US$ 13,8 bilhões obtido no início do surto de coronavírus, parte de uma onda de empréstimos que elevou o saldo da dívida da empresa para até US$ 63,6 bilhões no final do ano. A Boeing recorreu várias vezes a investidores de títulos em um dos piores anos de sua história de um século devido à paralisação das viagens globais e aterramento de seu avião mais vendido.

A emissão de títulos da Boeing inclui quatro tranches, de acordo com documento regulatório divulgado na terça-feira. A maior parte da oferta, um título de cinco anos não exigível por dois anos, pode render cerca de 195 pontos-base em relação aos títulos do Tesouro dos EUA, segundo uma pessoa com conhecimento do assunto, que pediu para não ser identificada.

A empresa usará os fundos para pagar os empréstimos pendentes de sua linha de crédito de dois anos de US$ 13,8 bilhões, obtida no início do ano passado em meio à crise do 737 Max. A empresa sacou toda a quantia em março com a paralisação das viagens no início da pandemia, o que levou a questionamentos se companhias aéreas continuariam pagando por novos aviões.

“Acreditamos que atualmente temos liquidez suficiente e não planejamos aumentar nossos níveis de endividamento”, disse o diretor financeiro da Boeing, Gregory Smith, durante teleconferência de resultados na semana passada. “No entanto, continuaremos administrando ativamente nosso balanço patrimonial, incluindo o refinanciamento de vencimentos de dívidas.”

A Boeing não quis divulgar uma previsão de resultados para 2021 quando divulgou o balanço do quarto trimestre. A empresa queimou US$ 19,7 bilhões em 2020 e não espera fluxo de caixa positivo até o próximo ano.

A Boeing vendeu títulos pela última vez no final de outubro, levantando US$ 4,9 bilhões para ajudar a pagar a dívida. A empresa captou US$ 25 bilhões em abril, a maior venda de títulos de 2020, e disse na época que os recursos eliminariam a necessidade de mais ajuda federal.

Bank of America, Citigroup, Morgan Stanley, JPMorgan Chase, Goldman Sachs e Wells Fargo administram a oferta, disse a pessoa.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.