Mercado fechado
  • BOVESPA

    100.922,89
    -1.058,64 (-1,04%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.925,61
    -580,09 (-1,10%)
     
  • PETROLEO CRU

    67,75
    +0,11 (+0,16%)
     
  • OURO

    1.982,00
    -0,80 (-0,04%)
     
  • Bitcoin USD

    27.980,88
    +0,27 (+0,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    607,09
    +7,42 (+1,24%)
     
  • S&P500

    3.951,57
    +34,93 (+0,89%)
     
  • DOW JONES

    32.244,58
    +382,60 (+1,20%)
     
  • FTSE

    7.403,85
    +68,45 (+0,93%)
     
  • HANG SENG

    19.000,71
    -517,88 (-2,65%)
     
  • NIKKEI

    26.945,67
    -388,12 (-1,42%)
     
  • NASDAQ

    12.714,50
    +26,00 (+0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6199
    -0,0025 (-0,04%)
     

Boeing retoma entregas de 787 Dreamliner com alta em encomendas

Boeing 787 Dreamliner é visto em Long Beach, Califórnia

Por Valerie Insinna e David Shepardson

WASHINGTON (Reuters) - A Boeing confirmou nesta quinta-feira que entregou um 787 Dreamliner para a companhia aérea alemã Lufthansa, a primeira entrega desde que os envios foram interrompidos no final de fevereiro após a empresa divulgar um problema em um componente da aeronave.

A agência norte-americana de aviação FAA confirmou no mês passado que a Boeing havia interrompido as entregas devido a um erro de análise de dados relacionado ao anteparo de pressão dianteiro do jato, que a empresa descobriu após revisar os registros de certificação.

A FAA disse na sexta-feira que estava satisfeita com o problema resolvido e aprovou a Boeing para retomar as entregas do 787. Espera-se que a Boeing envie outro 787 para a American Airlines em breve, disseram fontes.

A aeronave da Lufthansa decolou de Paine Field, ao norte de Seattle, na tarde de quarta-feira, pousando em Frankfurt às 8h52, horário local, mostram dados do voo. As ações da Boeing subiam 1,6% no início desta tarde (horário de Brasília).

A entrega coroa uma semana positiva para o 787. Na terça-feira, a Boeing anunciou venda de 78 Dreamliners para duas companhias aéreas sauditas, um negócio com preço de tabela de 37 bilhões de dólares que a empresa divulgou como sendo o quinto maior pedido comercial em valor já recebido pela companhia.

Entre o acordo saudita e pedidos separados da United Airlines e da Air India, a Boeing recebeu encomendas envolvendo quase 200 Dreamliners nos últimos quatro meses.

A empresa agora deve reduzir riscos na cadeia de suprimentos, pois busca aumentar a produção do 787 de um nível baixo para a meta 10 unidades por mês até o final de 2026, dizem analistas.

O presidente-executivo da Boeing, Dave Calhoun, disse à Reuters na terça-feira que a demanda pelo 787 é "a maior que já vi" e que estava confiante na capacidade da empresa de atingir as metas de produção.