Mercado fechará em 3 h 41 min
  • BOVESPA

    114.082,17
    +2.898,22 (+2,61%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.569,56
    +192,09 (+0,41%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,14
    +2,86 (+4,67%)
     
  • OURO

    1.719,00
    +3,20 (+0,19%)
     
  • BTC-USD

    49.557,22
    -1.133,19 (-2,24%)
     
  • CMC Crypto 200

    994,23
    +7,02 (+0,71%)
     
  • S&P500

    3.824,60
    +4,88 (+0,13%)
     
  • DOW JONES

    31.314,46
    +44,37 (+0,14%)
     
  • FTSE

    6.656,12
    -19,35 (-0,29%)
     
  • HANG SENG

    29.236,79
    -643,63 (-2,15%)
     
  • NIKKEI

    28.930,11
    -628,99 (-2,13%)
     
  • NASDAQ

    12.717,00
    +35,25 (+0,28%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7194
    -0,0593 (-0,87%)
     

Boeing registra prejuízo anual recorde

Eric M. Johnson e Ankit Ajmera
·2 minuto de leitura
Boeing registra prejuízo anual recorde

Por Eric M. Johnson e Ankit Ajmera

(Reuters) - A Boeing divulgou nesta quarta-feira um prejuízo anual recorde de quase 12 bilhões de dólares, em meio a novo adiamento de seu jato 777X, o que resultou em um efeito negativo de 6,5 bilhões de dólares no resultado.

A crise do coronavírus exacerbou a queda na demanda pelas maiores aeronaves da indústria, com companhias aéreas evitando receber os aviões encomendados devido a restrições de viagens internacionais, prejudicando o fluxo de caixa da fabricante de aeronaves dos EUA.

A Boeing disse que espera que o 777X, uma versão maior do 777 mini-jumbo, entre em serviço no final de 2023, atrasando o lançamento do jato pela terceira vez e registrando uma baixa de 6,5 bilhões de dólares antes de impostos.

A empresa estava desenvolvendo o jato com a meta de lançá-lo em 2022, já dois anos depois do planejado inicialmente.

Uma queda histórica na quantidade de viagens aéreas também prejudicou os envios dos 787 Dreamliners da Boeing para as companhias aéreas, fazendo com que a empresa acumulasse dezenas de aeronaves, pesando ainda mais sobre a Boeing, que já tem um estoque armazenado de cerca de 450 jatos 737 MAX.

A Boeing disse que espera retomar os envios de seus 787 Dreamliners em 2021, quando as viagens aéreas se recuperarem.As entregas dos modelos 787 caíram quase 70% para 53 aviões em 2020 e não se espera que se recuperem aos níveis de 2019 até pelo menos 2024, de acordo com analistas.

A Boeing também disse que entregou 13 aviões 737 MAX adicionais em janeiro, de seu estoque, somando-se às 27 aeronaves que enviou em dezembro depois que os EUA liberaram o jato para voar novamente após uma suspensão de 20 meses.

O prejuízo líquido da empresa aumentou para 8,44 bilhões de dólares no quarto trimestre, de 1,01 bilhão um ano antes, levando o prejuízo do ano inteiro para um recorde de 11,94 bilhões de dólares. A receita caiu 15%, para 15,30 bilhões de dólares no trimestre encerrado em dezembro.

(Reportagem de Eric M. Johnson em Seattle e Ankit Ajmera em Bengaluru)