Mercado fechado

Boeing que caiu na Etiópia foi "desenhado por palhaços", apontam funcionários

Nathan Vieira

Na última quinta-feira (9), congressistas norte-americanos que investigam o processo de certificação do 737 MAX - que ficou conhecido por acidentes em 2018 e 2019, na Indonésia e Etiópia e que provocaram 346 mortos - divulgaram mensagens de texto em que funcionários da Boeing fazem críticas ao processo de certificação do modelo. Durante a troca de mensagens, pilotos revelam falhas nos simuladores do aparelho, o que pode ter sido a causa desses desastres aéreos.

Uma dessas mensagens diz o seguinte: "Este avião é desenhado por palhaços, que por sua vez são supervisionados por macacos". Aparentemente, trata-se de uma referência à Administração Federal de Aviação (FAA) dos Estados Unidos, que faz a certificação final das aeronaves, para que elas se tornem operacionais, ou seja, possam ser usadas em voos comerciais.

Já em outra mensagem, um funcionário da Boeing chega a admitir a um colega que não deixaria a família voar numa aeronave 737 Max. Enquanto isso, outro colaborador da companhia escreveu em 2018 a mensagem: "Ainda não fui perdoado por Deus pelo que escondi no ano passado".

"Algumas dessas comunicações dizem respeito ao desenvolvimento e à qualificação dos simuladores Boeing 737 MAX, em 2017 e 2018", explica a Boeing, que ainda afirma ter divulgado as mensagens devido ao seu compromisso com a transparência: "Essas comunicações não refletem a empresa que somos e que precisamos ser, e são completamente inaceitáveis", acrescenta. Em contrapartida, segundo Peter DeFazio, do Comitê dos Transportes da Câmara dos Representantes dos EUA, as comunicações “mostram um esforço concertado, datado dos primeiros dias do programa do 737 MAX, para esconder informação crítica dos reguladores e do público”.

É válido lembrar que, no fim de dezembro, o presidente executivo da Boeing, Dennis Muilenburg, foi demitido do cargo por causa, não apenas dos acidentes e dos problemas com o 737 MAX, mas também devido a tensões com a FAA e outros órgãos reguladores. O executivo acabou substituído por David Calhoun e a Boeing está redesenhando todo o sistema de controle automático. Além disso, a companhia já anunciou que suspendeu a produção do modelo da aeronave.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: