Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.764,26
    +3.046,26 (+2,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.853,37
    +392,77 (+0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,88
    -0,21 (-0,23%)
     
  • OURO

    1.818,90
    +3,40 (+0,19%)
     
  • BTC-USD

    24.405,93
    -110,20 (-0,45%)
     
  • CMC Crypto 200

    574,64
    +3,36 (+0,59%)
     
  • S&P500

    4.280,15
    +72,88 (+1,73%)
     
  • DOW JONES

    33.761,05
    +424,35 (+1,27%)
     
  • FTSE

    7.500,89
    +34,98 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    20.175,62
    +93,22 (+0,46%)
     
  • NIKKEI

    28.546,98
    +727,68 (+2,62%)
     
  • NASDAQ

    13.580,00
    +2,25 (+0,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2019
    -0,1218 (-2,29%)
     

Boeing precisa de vitória em primeira feira de aviação pós-Covid

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

(Bloomberg) -- Na primeira grande feira comercial do setor aeroespacial desde o surgimento da pandemia, os desafios são particularmente grandes para uma das duas grandes empresas de aviação que dominam o mercado global.

Como de costume, os holofotes durante o Farnborough International Airshow no sul da Inglaterra na próxima semana se concentrarão na batalha entre Airbus e Boeing por pedidos, com anúncios rápidos, muitas vezes de última hora, que provavelmente fornecerão paralelos tranquilizadores com as exposições comerciais pré-Covid. Mas nunca antes a competição pendeu tanto a favor da Airbus.

A Airbus cresceu na última década e conquistou cerca de 70% do segmento de fuselagem estreita, de longe a categoria de aeronaves mais utilizada. Enquanto isso, a Boeing luta em várias frentes: há problemas de qualidade com seu 787 Dreamliner, dúvidas sobre a aprovação regulatória de sua aeronave Max 10 e a necessidade de vender o 737 Max após dois acidentes fatais. O sucessor gigante do 777 está atrasado há anos .

Isso deixa a Boeing sob pressão muito maior para garantir pedidos em Farnborough, de acordo com a analista da Jefferies Sheila Kahyaoglu.

“A Boeing está começando com uma base mais baixa em termos de impulso de pedidos”, disse ela. Se a Boeing não conseguir vencer a Airbus na feira, “continuará a perder sua participação de mercado”.

Tanto a Airbus quanto a Boeing já anunciaram uma enxurrada de acordos significativos este ano, o que pode limitar quantas vendas de sucesso ainda restam em Farnborough. A IAG finalmente se comprometeu em maio com um pedido do 737 Max acordado pela primeira vez no Paris Air Show em 2019, enquanto a Airbus obteve um grande negócio avaliado em US$ 37 bilhões de quatro companhias aéreas chinesas no mês passado.

Segundo Kahyaoglu, há quase 800 vendas em potencial ainda em andamento, embora ela diga que é improvável que todas se concretizem na próxima semana. Alguns dos maiores acordos previstos tendem a favorecer a Boeing, incluindo um possível pedido da Delta Air Lines para mais de cem 737 Max. A Airbus também pode obter alguns compromissos da companhia aérea, no entanto, se a Delta optar por completar seu pedido do A220 ao mesmo tempo.

Analistas e investidores também estarão a procura de sinais de que as aéreas asiáticas se preparam para uma eventual recuperação nas viagens de longo distância - como fez a ANA esta semana ao finalizar um compromisso anterior para até 30 dos 787 Dreamliners da Boeing. A Air India está perto de assinar um acordo para um pedido de cerca de 20 jatos A350 widebody e até 300 jatos da família A320neo ou 737 Max, informou a Bloomberg no mês passado.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos