Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    44.938,74
    -2.784,06 (-5,83%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7583
    +0,0194 (+0,29%)
     

Boeing perde US$ 11,9 bi em 2020 entre pandemia, problemas do 737 MAX e atrasos no 777X

·1 minuto de leitura
Foto de arquivo de 30 de setembro de 2020 de um avião Boeing 737 MAX em voo em Seattle

A Boeing registrou um prejuízo líquido de 11,9 bilhões de dólares em 2020, afetada pelos contratempos do 737 MAX, os atrasos no avião 777X e os efeitos da pandemia no tráfego aéreo e nas companhias aéreas.

A construtora aeroespacial americana teve um prejuízo líquido de 8,42 bilhões de dólares no quarto trimestre, marcado pelos 6,5 bilhões de dólares perdidos pelo adiamento até o final de 2023 das primeiras entregas do avião 777X.

É pelo menos a terceira vez que a companhia atrasa as primeiras entregas deste modelo. Em outubro, o diretor executivo do grupo, Dave Calhoun, afirmou que os clientes teriam o 777X a partir de 2022.

O novo adiamento está vinculado a "vários fatores, entre eles uma nova avaliação das exigências de certificação em nível mundial, uma nova estimativa dos impactos da covid-19 na demanda das companhias e negociações com clientes sobre o calendário de entrega dos aviões", detalhou a Boeing.

As perdas relacionadas ao 777X somam no quarto trimestre uma provisão de 468 milhões de dólares para o 737 MAX, que volta a voar após 20 meses de suspensão no mundo devido a dois acidentes protagonizados por esse modelo nos quais morreram 346 pessoas.

O grupo também perdeu 275 milhões de dólares por problemas de produção do avião tanque KC-46A, 290 milhões vinculados à oferta de serviços da Boeing e 744 milhões para resolver ações legais relacionadas ao 737 MAX, que já foram anunciadas após um acordo com o Departamento da Justiça.

O volume de negócios do grupo caiu em 24% em 2020, ficando em 58,2 bilhões de dólares. Entre outubro e dezembro, se contraiu 15% até os 15,3 bilhões de dólares.

jum/lo/abx/dga-gma/aa