Mercado abrirá em 1 h 10 min
  • BOVESPA

    113.707,76
    +195,38 (+0,17%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.734,04
    -67,64 (-0,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    89,23
    +1,12 (+1,27%)
     
  • OURO

    1.785,70
    +9,00 (+0,51%)
     
  • BTC-USD

    23.502,99
    -256,86 (-1,08%)
     
  • CMC Crypto 200

    559,16
    -13,65 (-2,38%)
     
  • S&P500

    4.274,04
    -31,16 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    33.980,32
    -171,69 (-0,50%)
     
  • FTSE

    7.519,96
    +4,21 (+0,06%)
     
  • HANG SENG

    19.763,91
    -158,54 (-0,80%)
     
  • NIKKEI

    28.942,14
    -280,63 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    13.519,25
    +26,00 (+0,19%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2615
    +0,0023 (+0,04%)
     

Boeing e Airbus Inflam carteira de pedidos na feira aérea Farnborough

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Por Tim Hepher e David Shepardson

FARNBOROUGH (Reuters) - A Boeing vem fazendo anúncios de pedidos no Farnborough Airshow desta semana, retomando o impulso para o 737 MAX, enquanto a rival Airbus aumentou sua carteira de pedidos do A320neo.

A Boeing garantiu mais de 100 pedidos firmes para o MAX, mas ainda enfrenta grandes desafios para certificar uma nova versão antes do prazo final do ano.

A Airbus confirmou nesta quarta-feira um acordo para 56 jatos da família A320neo para a easyJet.

A fabricante europeia recebeu um grande pedido de quase 300 aeronaves da China semanas antes da feira bienal, que está retornando após um hiato de quatro anos devido à pandemia.

Os acordos com a Índia, em rápido crescimento, até agora escaparam de Farnborough, que alterna com Paris como a maior feira aérea do mundo.

A Air India está perto de decidir sobre um pedido de 50 bilhões de dólares a preços de tabela sob o novo proprietário Tata Group a ser dividido entre Airbus e Boeing, provavelmente não a tempo para o evento, disseram fontes do setor.

Ambas as fabricantes de aviões estão dando um empurrão com o pedido definido para incluir até 70 jatos de fuselagem larga, incluindo Airbus A350 e Boeing 787 e 777, e até 300 aeronaves de fuselagem estreita, disseram eles.

Uma fonte disse que a decisão parecia "iminente", embora outra tenha alertado que o resultado continua imprevisível.

Ambas as fabricantes se recusaram a comentar. O Tata Group não respondeu a um pedido de comentário.

O presidente-executivo da Boeing, Dave Calhoun, voou para a Índia antes da feira desta semana, disseram duas fontes.

A Airbus espera redirecionar os jatos originalmente destinados à Aeroflot da Rússia, atingida por sanções.

(Com reportagem adicional de Aditi Shah, Paul Sandle)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos