Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.524,22
    +104,69 (+0,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.718,81
    -487,78 (-0,93%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,05
    -2,60 (-3,07%)
     
  • OURO

    1.798,80
    +5,40 (+0,30%)
     
  • BTC-USD

    58.909,69
    -3.255,11 (-5,24%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.412,44
    -61,89 (-4,20%)
     
  • S&P500

    4.551,68
    -23,11 (-0,51%)
     
  • DOW JONES

    35.490,69
    -266,19 (-0,74%)
     
  • FTSE

    7.253,27
    -24,35 (-0,33%)
     
  • HANG SENG

    25.628,74
    -409,53 (-1,57%)
     
  • NIKKEI

    29.098,24
    -7,77 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    15.595,50
    +50,50 (+0,32%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4340
    -0,0201 (-0,31%)
     

Boeing 787 enfrenta outro problema de fabricação

·1 minuto de leitura
A Boeing afirmou que está trabalhando para resolver o problema com o modelo 787 Dreamliner (AFP/Jason Redmond)

A fabricante americana Boeing confirmou nesta quinta-feira (14) que detectou um defeito de fabricação no 787 Dreamliner de longa distância, um modelo já afetado por problemas técnicos.

Peças de titânio da aeronave não respondem às normas de resistência exigidas para os 787 construídos nos últimos três anos.

"Recebemos uma notificação de um fornecedor sobre algumas peças que não foram construídas corretamente", disse um porta-voz da Boeing à AFP.

"Uma investigação está em curso, mas determinamos que não há perigo imediato para a segurança da frota de aviões em serviço", completou.

"As aeronaves que ainda não foram entregues serão reorganizadas de maneira correta antes da entrega aos clientes", afirmou o porta-voz.

Este não é o primeiro incidente com o 787 Dreamliner.

Outros problemas de fabricação foram detectados no ano passado em uma parte da fuselagem e no estabilizador horizontal.

Em meados de julho, a Boeing anunciou que encontrou outra falha no nariz da aeronave, o que obrigou a empresa a suspender as entregas e reduzir a produção.

A segurança dos aviões da Boeing é muito questionada desde os acidentes com dois modelos 737 MAX que deixaram 346 mortos em 2018 e 2019.

dho/jum/cco/gm/yow/fp

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos