Mercado fechará em 1 h 25 min

Boeing 777X deve perder estreia prevista em 2021, diz a Emirates

Layan Odeh, Siddharth Vikram Philip e Alan Levin

(Bloomberg) -- A estreia do novo jato 777X da Boeing Co. provavelmente não será no próximo ano, de acordo com o principal cliente, a Emirates, que não espera receber aviões antes de 2022.

Entregas da aeronave, que teve o primeiro vôo de teste em janeiro, provavelmente serão interrompidas pela paralisação da Boeing durante o auge da pandemia de coronavírus juntamente com um atraso no processo de certificação, disse Adel Al Redha, chefe de operações da companhia aérea do Golfo em entrevista nesta quinta-feira.

A Emirates também considera a possibilidade de trocar alguns dos 115 777Xs que possui por encomenda - e que representam mais de um terço do total de pedidos em atraso - pelo 787 Dreamliner, avião menor e que pode ser mais adequado para a atual demanda, disse.

A Boeing tenta adiar o uso da versão atualizada do 777, à medida que outros compradores também resistem à entrega de um avião tão grande quando estão sendo obrigados a encolher as operações, de acordo com pessoas familiarizadas com o assunto que pediram para não ser identificadas porque as discussões não são públicas. O primeiro lançamento da empresa desde o caso 737 Max, aterrado após dois acidentes fatais, também enfrenta um escrutínio maior da FAA, a administração federal de aviação dos EUA, e de outros reguladores.

“Não acredito que eles possam entregar a aeronave em 2021”, disse Al Redha. “Estamos em contato com a Boeing para obter mais visibilidade. Eu acho que 2022 é uma suposição segura a ser feita”.

Fazendo progresso

Em comunicado, a Boeing disse que trabalha em estreita colaboração com seus clientes para se adaptar à evolução da situação do Covid-19. “Continuamos a executar nosso robusto programa de testes para o 777-9, que iniciou os testes de vôo em janeiro”, afirmou a Boeing em comunicado. “Continuamos satisfeitos com o progresso que estamos fazendo e com o avião”.

A FAA disse em comunicado que não pode comentar sobre seus esforços para revisar o trabalho do fabricante para atualizar o 777.

Enquanto a agência está tomando medidas para tornar as avaliações de risco mais rigorosas após o aterramento do Max, o processo de certificação do 777X começou antes dos acidentes e não deve ser afetado pelas reformas. Mesmo assim, os holofotes do processo podem desencadear outras ações que retardem a aprovação.

Jogo de Números

O momento da estreia comercial do 777X está no centro de negociações complexas com a Emirates, que já converteu parte de seu pedido original para o Dreamliner, menor e mais versátil. A primeira entrega do 777X foi originalmente marcada para este ano, embora a data tenha sido adiada para 2021 após questões que incluíram atrasos nas turbinas do avião, da General Electric Co.

A Boeing, com sede em Chicago, está ansiosa para começar a entrega do 777X depois que a crise do Max privou a receita de seu programa mais vendido. Mas o modelo de corredor duplo, que possui asas maiores e novos motores, está chegando em um momento em que o mercado de aeronaves mais longas e de alto volume pode ficar deprimido por anos.

A variante 777-9 é mais longa do que o jumbo 747 da Boeing, e é o primeiro jato bimotor capaz de transportar um número semelhante de pessoas. É também o modelo mais caro da empresa, vendido por US$ 442,2 milhões antes dos descontos habituais.

As vendas, no entanto, estagnaram desde a primeira enxurrada de pedidos, quando a aeronave foi apresentada no Dubai Airshow de 2013, e os pedidos antecipados da China não se materializaram em meio às tensões comerciais.

Para a fabricante de aviões dos EUA, existe o risco de que conversões e adiamentos de pedidos adicionais o deixem fabricando o jato em quantidades tão baixas que a lucratividade do 777X seria prejudicada. Qatar Airways, Cathay Pacific Airways Ltd. e Deutsche Lufthansa AG estão entre os clientes que estão reestruturando seus planos de frota.

A Emirates, a maior companhia aérea de longa distância do mundo, foi duramente atingida pela queda sem precedentes nas viagens causadas pelo coronavírus. Já foi preciso repensar os planos para o A380 de dois andares, um dos pilares de sua frota, depois que uma escassez de demanda em outros lugares levou a Airbus SE a recusar a atualização do jato e depois encerrar o programa mais cedo.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.