Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.399,91
    +2.506,91 (+2,30%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.895,63
    +1.116,73 (+2,67%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,14
    -0,41 (-0,92%)
     
  • OURO

    1.816,40
    -2,50 (-0,14%)
     
  • BTC-USD

    18.624,92
    +16,89 (+0,09%)
     
  • CMC Crypto 200

    371,42
    -8,44 (-2,22%)
     
  • S&P500

    3.662,45
    +40,82 (+1,13%)
     
  • DOW JONES

    29.823,92
    +185,32 (+0,63%)
     
  • FTSE

    6.384,73
    +118,54 (+1,89%)
     
  • HANG SENG

    26.567,68
    +226,18 (+0,86%)
     
  • NIKKEI

    26.787,54
    0,00 (0,00%)
     
  • NASDAQ

    12.439,25
    -13,00 (-0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3055
    -0,0015 (-0,02%)
     

Boeing é investigada por licitação da Nasa para missão à Lua

·1 minuto de leitura
(Arquivo) O chefe de atividades espaciais da Boeing, Jim Chilton
(Arquivo) O chefe de atividades espaciais da Boeing, Jim Chilton

A gigante do setor aeroespacial americano Boeing é alvo de investigações administrativas e judiciais, sob suspeita de ter se beneficiado de informações internas da Nasa para responder a um chamado de licitação para a construção de um trem de pouso lunar, informou nesta terça-feira o "Washington Post".

Segundo o jornal, o inspetor geral da Nasa e o Departamento de Justiça abriram investigações sobre o caso, que provocou em maio a demissão repentina do chefe do programa de voos tripulados da Nasa, Doug Loverro. Naquele momento, soube-se que sua renúncia estava ligada a um chamado de licitação, mas o motivo exato era desconhecido.

De acordo com o Washington Post, Loverro informou ao chefe de atividades espaciais da Boeing, Jim Chilton, que a proposta apresentada pelo grupo perderia para as ofertas concorrentes. Pressionado pelos prazos apertados do cronograma, Loverro queria saber se a Boeing iria recorrer da decisão, atrasando por meses o programa de retorno à Lua. Mas a Boeing aproveitou a oportunidade para apresentar outra proposta à Nasa, de forma irregular.

A Nasa acabou escolhendo outros três finalistas: SpaceX, Dynetics e uma aliança liderada pela Blue Origin. O Departamento de Justiça e a Nasa não responderam às consultas feitas pela AFP. "Não temos mais comentários sobre esse artigo", declarou uma porta-voz da Boeing, sem negar o conteúdo do mesmo.

ico/la/ll/rsr/lb