Mercado abrirá em 4 h 18 min
  • BOVESPA

    108.095,53
    +537,86 (+0,50%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.056,27
    +137,99 (+0,27%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,86
    +0,50 (+0,69%)
     
  • OURO

    1.786,90
    +1,40 (+0,08%)
     
  • BTC-USD

    50.075,83
    -493,84 (-0,98%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.308,71
    +3,59 (+0,28%)
     
  • S&P500

    4.701,21
    +14,46 (+0,31%)
     
  • DOW JONES

    35.754,75
    +35,32 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.337,05
    -2,85 (-0,04%)
     
  • HANG SENG

    24.268,90
    +272,03 (+1,13%)
     
  • NIKKEI

    28.725,47
    -135,15 (-0,47%)
     
  • NASDAQ

    16.389,25
    -3,00 (-0,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2700
    -0,0041 (-0,07%)
     

BOE diverge do Federal Reserve ao comunicar política monetária

·2 min de leitura

(Bloomberg) -- A disputa do Banco da Inglaterra com os mercados financeiros sobre como comunicar a política monetária não é a primeira. Até que investidores reconheçam como a abordagem do banco central do Reino Unido diverge da orientação do Federal Reserve, mais confrontos podem surgir.

Most Read from Bloomberg

Se há uma lição a ser tirada da reação contra a surpreendente decisão do BOE neste mês de deixar as taxas de juros inalteradas, é que a linguagem pode ser tão poderosa quanto a política.

A manutenção dos juros foi um choque após o presidente do BOE, Andrew Bailey, ter alertado em outubro que as autoridades “teriam que agir” para frear a inflação. Investidores haviam precificado o primeiro aumento das taxas desde o início da pandemia, o que elevou os custos de financiamento nos mercados financeiros. Bancos também responderam retirando ofertas de hipotecas baratas. As palavras de Bailey tiveram o efeito de um aumento dos juros de quase 0,15%.

A turbulência nos mercados do Reino Unido contrasta com o sistema adotado pelo Fed desde 2013, quando algumas palavras fora de contexto levaram a uma venda generalizada de títulos do Tesouro dos EUA e de ativos de mercados emergentes.

Na segunda-feira, Bailey culpou participantes do mercado britânico pelo mal-entendido. Ele disse que os investidores transformaram suas declarações “condicionais” sobre o rumo dos juros durante uma conferência do G30 em 17 de outubro em “visões incondicionais do mundo”. Horas depois da decisão de política monetária em 4 de novembro, o presidente do BOE disse à Bloomberg TV que não é seu trabalho “orientar os mercados”.

A distinção feita por Bailey é importante porque investidores e muitos economistas já começaram a precificar um aumento dos juros em 16 de dezembro, apesar da surpresa neste mês.

O Fed tem buscado uma orientação mais detalhada e mercados estáveis desde a turbulência ocorrida há oito anos. Naquela época, o então presidente do Fed, Ben Bernanke, disse ao Congresso que as compras de ativos diminuiriam no futuro. O mercado reagiu com força.

Entre maio e dezembro de 2013, o rendimento dos Treasuries de 10 anos subiu de 2% para 3%, o que levou investidores de ativos em dólar a trazerem recursos de países em desenvolvimento de volta para casa. O movimento desestabilizou os mercados globais.

Philip Shaw, economista para o Reino Unido da Investec, diz que a orientação cuidadosa do Fed, em contraste com o que alguns chamam de ambiguidade construtiva do BOE, não é “filosófica, mas prática”, tendo aprendido sua lição há oito anos.

“Parecia que eles estavam administrando mal as coisas [naquela época]. Por causa disso, o Fed aproveita todas as oportunidades para ... ser granular sobre o ‘guidance’ com o objetivo de evitar que os mercados sejam sacudidos”.

Most Read from Bloomberg Businessweek

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos