Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,91 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,62 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,06
    +2,79 (+2,68%)
     
  • OURO

    1.828,10
    -1,70 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    21.412,12
    -43,41 (-0,20%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,12
    +8,22 (+1,81%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,32 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.208,81
    +188,36 (+2,68%)
     
  • HANG SENG

    21.719,06
    +445,19 (+2,09%)
     
  • NIKKEI

    26.491,97
    +320,72 (+1,23%)
     
  • NASDAQ

    12.132,75
    +395,25 (+3,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5524
    +0,0407 (+0,74%)
     

BNP e outros bancos europeus ganham com nova regra da Basileia

(Bloomberg) -- Os bancos europeus, liderados pelo BNP Paribas, devem se beneficiar depois que os reguladores globais concordaram em começar a tratar a área do euro como um único mercado para determinar os requisitos de capital.

Bancos sediados na união bancária da Europa, que engloba principalmente os países que compartilham o euro, teriam suas exposições dentro do bloco tratadas como domésticas, consideradas menos arriscadas, segundo documentos do Comitê de Supervisão Bancária da Basileia vistos pela Bloomberg .

O BNP Paribas é o que mais se beneficia de todos os credores sistemicamente importantes do bloco, e provavelmente veria uma redução nos requisitos de capital. As mudanças planejadas, que devem ser anunciadas na terça-feira, também podem facilitar aquisições internacionais, já que permitiriam que os bancos fizessem negócios no bloco sem enfrentar automaticamente a ameaça de requisitos de capital mais rígidos.

As ações dos bancos europeus subiram porque a decisão marca uma vitória para os credores que há muito argumentam que reguladores e investidores devem ver o bloco como um mercado unificado, já que, como os EUA, compartilha uma moeda comum e tem um banco central conjunto. Também traz alívio, no momento em que a guerra na Ucrânia força os credores da região a reservar mais dinheiro para crédito problemático e se preparar para a perspectiva de uma mudança econômica duradoura.

Porta-vozes do Banco de Compensações Internacionais, que lida com a comunicação do Comitê da Basileia, e do Banco Central Europeu, que supervisiona os maiores bancos da zona do euro, não quiseram comentar. Uma porta-voz do BNP Paribas também não quis comentar.

O BCE argumentou que o progresso no esforço de uma década para criar uma união bancária deveria se refletir nos requisitos de capital para os chamados bancos globais sistemicamente importantes. O acordo no Comitê da Basileia permite que os requisitos de capital sejam reduzidos em no máximo um nível para os credores da união bancária, se a nova maneira de calcular o risco justificar tal movimento. Não afetará a classificação de nenhum banco como sistemicamente importante.

O BNP veria seu requisito de reserva cair 0,5 ponto percentual, enquanto o Deutsche Bank permaneceria no intervalo atual de requisitos de capital, de acordo com cálculos confidenciais do BCE com base em dados do final de 2020. UniCredit e ING também se destacam como principais beneficiários na análise do BCE.

Os reguladores exigem que os bancos reservem capital para absorver perdas potenciais, mas esses amortecedores reduzem a capacidade dos credores de devolver fundos aos acionistas por meio de dividendos e recompras de ação, tornando-os menos atraentes como investimentos.

O Comitê da Basileia, que estabelece padrões globais para a regulamentação bancária, reúne funcionários do BCE, Federal Reserve, Banco da Inglaterra e de outras instituições.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos