Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    46.355,53
    +143,90 (+0,31%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7583
    +0,0194 (+0,29%)
     

BNDESPar vende ações e zera participação acionária na Vale, dizem fontes

·2 minuto de leitura

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) zerou sua participação na mineradora Vale ao vender quase 120 milhões de ações que detinha na empresa em operações que levantaram 11,2 bilhões de reais, disseram à Reuters três fontes com conhecimento do assunto.

O movimento, realizado por meio do BNDESPar, braço de participações do banco estatal, ocorre enquanto o BNDES busca se desfazer de ações que possui em diversas empresas para levantar recursos. O banco já havia realizado transações anteriores inclusive com papéis da Vale. Em novembro, uma venda em bloco de ações da empresa levantou 2,54 bilhões de reais.

"O banco aproveitou o momento favorável", disse uma das fontes sobre a última venda de ações. O BNDES era acionista da mineradora desde a privatização da companhia.

Uma segunda fonte disse que as vendas de papéis ocorreram entre novembro e a última segunda-feira. "Zeramos...desde agosto do ano passado, quando iniciamos as vendas de Vale, e hoje, foram 24 bilhões de reais", afirmou, também sob a condição de anonimato.

Procurado, o BNDES não respondeu de imediato a um pedido de comentários.

No radar do banco, que tem buscado retomar sua estratégia de desinvestimentos, estavam possíveis operações com ações detidas na Petrobras, mas a queda dos papéis após o presidente Bolsonaro ter indicado um novo CEO para a companhia na última sexta-feira colocou o projeto em compasso de espera, disseram as fontes.

"É esperar a turbulência passar e não realizar perdas", afirmou a primeira fonte.

As ações preferenciais da Petrobras desabaram 21,51% na segunda-feira, voltando para níveis de novembro do ano passado, enquanto as ordinárias caíram 20,48%, depois de preocupações no mercado com a indicação de Joaquim Silva e Luna para a presidência da estatal.

(Por Rodrigo Viga Gaier)