Mercado fechará em 3 h 51 min
  • BOVESPA

    113.489,83
    +2.305,88 (+2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.529,29
    +151,82 (+0,33%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,28
    +3,00 (+4,90%)
     
  • OURO

    1.717,20
    +1,40 (+0,08%)
     
  • BTC-USD

    49.620,58
    -1.455,54 (-2,85%)
     
  • CMC Crypto 200

    994,90
    +7,69 (+0,78%)
     
  • S&P500

    3.826,41
    +6,69 (+0,18%)
     
  • DOW JONES

    31.330,70
    +60,61 (+0,19%)
     
  • FTSE

    6.639,43
    -36,04 (-0,54%)
     
  • HANG SENG

    29.236,79
    -643,63 (-2,15%)
     
  • NIKKEI

    28.930,11
    -628,99 (-2,13%)
     
  • NASDAQ

    12.736,75
    +55,00 (+0,43%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6980
    -0,0807 (-1,19%)
     

BNDES vai continuar desinvestimentos e quer zerar risco da carteira até 2022

ISABELA BOLZANI
·3 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O presidente do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), Gustavo Montezano, afirmou nesta quinta-feira (28) que pretende continuar com a agenda de desinvestimentos ao longo deste ano e que quer zerar a volatilidade da carteira de participações até 2022. Segundo Montezano, apesar de o banco de fomento ter conseguido desinvestir um total de R$ 50 bilhões até o final de 2020, o aumento da volatilidade do mercado acabou aumentando o risco da carteira com os investimentos remanescentes. "Ainda não estamos satisfeitos com a volatilidade da carteira e temos até o final de 2022 para zerar esse risco, que não traz nenhuma atividade de desenvolvimento econômico e social para o Brasil", disse o executivo em evento virtual promovido pelo Credit Suisse. O executivo disse, ainda, que é descabido que um banco público com o papel social seja um especulador financeiro na Bolsa de Valores, principalmente diante da atual situação fiscal do país. "É como se alguém que estivesse no cheque especial e ainda assim pegasse dinheiro para apostar no cassino. [Ter recursos em Bolsa] é totalmente descabido de propósito para o Estado brasileiro e para o BNDES, especialmente com uma carteira desse porte", disse Montezano. Nos últimos dados do BNDES, divulgados em setembro de 2020, a carteira de investimentos do banco somava mais de R$ 80 bilhões, entre investimentos em empresas abertas, fechadas, fundos de investimentos e debêntures. Deste total, cerca de R$ 68,3 bilhões (84%) representam investimentos na Bolsa de Valores. "Vamos continuar conduzindo a agenda de desinvestimentos com o mesmo perfil de atuação que tivemos no passado, de maneira cautelosa, sem pressa e sem afetar os mercados. A Bolsa está próxima das máximas históricas e o mercado continua com liquidez, o que garante um bom ambiente para continuarmos nessa estratégia até 2022", afirmou Montezano. Em termos de crédito, o presidente do BNDES afirmou que espera que a inadimplência continue em níveis saudáveis ao longo de 2021, trazendo um ambiente positivo para a retomada do país. "Até o momento, vemos uma inadimplência saudável na carteira, ressalvando alguns setores específicos, nichados, que foram e ainda estão sendo afetados mais diretamente pela crise do coronavírus", disse o executivo. Ele afirmou que as exceções para este cenário são os setores de serviços, entretenimento, bares e restaurantes, que ainda continuam reprimidos. "De maneira geral, vemos setores andando bem, gerando caixa e fazendo investimentos." Sobre os projetos de infraestrutura, o presidente do BNDES afirmou que o banco está comprometido em atuar como agente de estruturação. "Para o banco é fundamental, porque acaba alimentando carteira de crédito e a esteira de operações, que futuramente serão financiadas pelo banco", disse Montenzano. O executivo também falou que o grande destaque deste ano é a operação da Cedae (Companhia Estadual de Água e Esgotos do Rio de Janeiro). Segundo Montezano, é o maior projeto de infraestrutura brasileiro, que leva R$ 40 bilhões entre investimento e outorga. "O volume de impacto ambiental, de saúde, de desenvolvimento social para o Rio de Janeiro é imensurável. Vamos gerar 40 mil empregos na obra, além de melhorar as condições políticas e melhorar condições sanitárias do Estado", disse. O leilão da Cedae está programado para 30 de abril.