Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.247,15
    -2.542,18 (-2,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.394,03
    -1.070,00 (-2,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    109,40
    -0,19 (-0,17%)
     
  • OURO

    1.814,40
    -1,50 (-0,08%)
     
  • BTC-USD

    29.273,71
    -1.148,37 (-3,77%)
     
  • CMC Crypto 200

    650,57
    -20,11 (-3,00%)
     
  • S&P500

    3.923,68
    -165,17 (-4,04%)
     
  • DOW JONES

    31.490,07
    -1.164,52 (-3,57%)
     
  • FTSE

    7.438,09
    -80,26 (-1,07%)
     
  • HANG SENG

    20.644,28
    +41,76 (+0,20%)
     
  • NIKKEI

    26.911,20
    +251,45 (+0,94%)
     
  • NASDAQ

    11.897,25
    -38,25 (-0,32%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2213
    +0,0109 (+0,21%)
     

BNDES lança marketplace de projetos de infraestrutura da América Latina

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O diretor de concessões e privatizações do BNDES, Fábio Abrahão, apresentou a fundos de investimento e instituições financeiras em Nova York nesta quarta (11) a nova plataforma unificada que vai reunir dados de projetos de infraestrutura de diferentes países da América Latina no mesmo local, chamada de marketplace.

Será o Latam Projects Hub, que vai mostrar projetos de concessões, parcerias público-privadas e privatizações na região.

Para Abrahão, posicionar os ativos brasileiros ao lado dos demais projetos da região gera uma visão mais clara do setor ao investidor e facilita a identificação de sinergias em diferentes operações na região.

"Contamos com o apoio inicial do BID e outros bancos da região porque ficou claro que estamos em uma competição global em que informação e transparência é fundamental para atrair capital", diz.

O banco usa como exemplo o caso da brasileira CCR, que recentemente levou o bloco Sul na 7ª Rodada de concessão de aeroportos e opera os terminais de Quito (Equador), San José (Costa Rica) e Curaçao na região. A francesa Vinci, que opera o aeroporto de Salvador e recentemente levo o Bloco Norte, na 7ª Rodada, também é responsável por terminais na República Dominicana e no Chile, diz o BNDES.

"Contamos com o apoio inicial do BID e outros bancos da região porque ficou claro que estamos em uma competição global em que informação e transparência é fundamental para atrair capital", diz.

O banco usa como exemplo o caso da brasileira CCR, que recentemente levou o bloco Sul na 7ª Rodada de concessão de aeroportos e opera os terminais de Quito (Equador), San José (Costa Rica) e Curaçao na região. A francesa Vinci, que opera o aeroporto de Salvador e recentemente levo o Bloco Norte, na 7ª Rodada, também é responsável por terminais na República Dominicana e no Chile, diz o BNDES.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos