Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.909,03
    -129,08 (-0,11%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.867,15
    +618,13 (+1,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,95
    +0,03 (+0,05%)
     
  • OURO

    1.836,40
    -1,20 (-0,07%)
     
  • BTC-USD

    55.717,78
    -2.445,64 (-4,20%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.468,69
    -92,61 (-5,93%)
     
  • S&P500

    4.188,43
    -44,17 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    34.742,82
    -34,94 (-0,10%)
     
  • FTSE

    7.123,68
    -6,03 (-0,08%)
     
  • HANG SENG

    28.595,66
    -14,99 (-0,05%)
     
  • NIKKEI

    29.518,34
    0,00 (0,00%)
     
  • NASDAQ

    13.337,50
    -19,25 (-0,14%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3610
    +0,0208 (+0,33%)
     

BlueCruise é resposta da Ford ao AutoPilot da Tesla; veja como funciona

Felipe Ribeiro
·2 minuto de leitura

A Ford está passando por uma grande reformulação global, fechando fábricas e modificando portfólio, mas isso não quer dizer que ela não esteja mais investindo em novas tecnologias. A montadora segue firme em busca de novos sistemas de direção autônoma e já prepara novidades como o BlueCruise, que equipará o SUV elétrico Mustang Mach 1 e a nova picape full-size F-150.

O BlueCruise é uma ferramenta que ajudará o motorista e tornará os carros da Ford mais seguros. O sistema funciona com base em radares, sensores e câmeras capazes de controlar o automóvel com frenagens e esterçamento. Contudo, o diferencial está no recurso atrelado ao GPS, que marca "zonas azuis" em que o condutor poderá simplesmente largar mão do volante.

Outro ponto interessante do BlueCruise é que ele se certifica que o motorista está atento, mesmo sem controlar o carro necessariamente. Isso acontece porque a Ford decidiu colocar uma câmera interna que, para o caso de o condutor estar desatento, emite alarmes para a retomada do volante sem que haja problemas.

“O BlueCruise coloca a Ford no espaço emergente de direção em auto-estradas com um sistema que parece ter uma vantagem de preço sobre o Super Cruise da GM. Com o preço do BlueCruise tão acessível, haverá muito mais exposição do consumidor à verdadeira direção com as mãos livres. Em última análise, o BlueCruise, com seu preço acessível, poderia atuar como um catalisador para a adoção da tecnologia de acionamento autônomo para a qual tantos na indústria automobilística vêm trabalhando", disse Ed Kim, vice-presidente da analista de mercado AutoPacifica, ao Tom's Guide.

O preço citado por Kim é o da assinatura do BlueCruise, que será, de fato, bem acessível. O proprietário do Mustang Mach 1 ou da F-150 que quiser esse recurso terá que pagar US$ 600 numa assinatura trienal, sem contar o custo do pacote operacional, que vai de US$ 995 na picape, enquanto o SUV elétrico já o terá de série.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: