Mercado fechará em 1 h 41 min
  • BOVESPA

    95.527,15
    +158,39 (+0,17%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    36.936,78
    -456,93 (-1,22%)
     
  • PETROLEO CRU

    35,92
    -1,47 (-3,93%)
     
  • OURO

    1.867,60
    -11,60 (-0,62%)
     
  • BTC-USD

    13.540,36
    +384,99 (+2,93%)
     
  • CMC Crypto 200

    266,16
    +23,49 (+9,68%)
     
  • S&P500

    3.296,30
    +25,27 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    26.536,95
    +17,00 (+0,06%)
     
  • FTSE

    5.581,75
    -1,05 (-0,02%)
     
  • HANG SENG

    24.586,60
    -122,20 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    23.331,94
    -86,57 (-0,37%)
     
  • NASDAQ

    11.311,00
    +178,25 (+1,60%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7360
    +0,0016 (+0,02%)
     

Blue Origin testará tecnologias de pouso espacial para a NASA nesta terça (13)

Patrícia Gnipper
·3 minutos de leitura

O que era para ter acontecido em setembro, acaba de ser remarcado para esta próxima terça-feira (13): a Blue Origin, empresa espacial de Jeff Bezos, lançará para a NASA uma série de novas tecnologias de pouso espacial com precisão — tecnologias que devem beneficiar missões lunares no futuro próximo. O lançamento está marcado para as 10h35 (horário de Brasília), com a transmissão ao vivo começando meia hora antes.

Tais tecnologias visam testar pousos de alta precisão em outros mundos e, durante o voo, o foguete suborbital reutilizável New Shepard vai expor, brevemente, o hardware da NASA ao ambiente espacial. Além disso, ele também vai liberar uma cápsula com cargas de empresas privadas que pegam "carona" no lançamento. Em seguida, retornará à Terra para que suas partes sejam resgatadas e recuperadas para novos usos.

Mas que tecnologias são essas, e para que servem, exatamente? Bem, tratam-se de sistemas de sensores, hardwares e softwares da NASA que visam deixar as alunissagens (nome para pousos lunares) mais eficientes e seguras, o que deverá ser empregado nas missões tripuladas planejadas pela agência espacial para os próximos anos. Se tais tecnologias se provarem um sucesso, podem permitir o pouso humano seguro na paisagem marciana, além de tudo.

O nome do sistema principal que será testado aqui é SPLICE (sigla para Safe and Precise Landing – Integrated Capabilities Evolution), projetado para pousos autônomos, sem a necessidade de um piloto. Com esse sistema, é possível até mesmo que espaçonaves pousem em campos rochosos ou em crateras sombrias, regiões consideradas, até agora, muito perigosas para o pouso humano. Assim, o SPLICE aumentaria (e muito!) o leque de opções de pousos na Lua, dando muitos quilômetros a mais para a NASA explorar diretamente.

Vale ressaltar, contudo, que, neste lançamento de agora, a Blue Origin testará apenas alguns elementos do SPLICE — dois sistemas de sensores, algoritmos de pouso e um novo computador. Um dos sistemas de sensores foi criado para ajudar uma espaçonave a navegar pelo terreno antes do pouso, comparando dados em tempo real entre imagens de uma câmera a bordo e mapas do local, pré-carregados no computador. Já o outro é um Doppler Lidar, projetado para usar lasers na superfície do local para calcular a velocidade e a altitude ideal para o pouso.

As tecnologias do SPLICE foram projetadas para que trabalhem tanto juntas, quanto separadamente, então a NASA pode selecionar aquelas que são necessárias em cada tipo de missão, sem precisar criar uma tecnologia nova a cada ocasião. Neste voo da Blue Origin, a agência testará como esses elementos funcionam em conjunto, apenas. Um novo sistema de sensores será testado em futuros lançamentos, incluindo um sistema que "varre" a superfície de um planeta para detectar perigos em potencial, escolhendo os locais de pouso mais seguros.

Quem quiser acompanhar o lançamento ao vivo, tem duas opções: pode assistir à live da Blue Origin no vídeo abaixo, ou acompanhar tudo pelo site NASA Live, da própria agência espacial. A transmissão começa a partir das 10h da manhã.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: