Mercado fechado
  • BOVESPA

    100.539,83
    +1.882,18 (+1,91%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.201,81
    +546,36 (+1,45%)
     
  • PETROLEO CRU

    41,51
    +0,05 (+0,12%)
     
  • OURO

    1.915,00
    -0,40 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    11.927,86
    +870,85 (+7,88%)
     
  • CMC Crypto 200

    239,54
    +0,62 (+0,26%)
     
  • S&P500

    3.443,12
    +16,20 (+0,47%)
     
  • DOW JONES

    28.308,79
    +113,37 (+0,40%)
     
  • FTSE

    5.889,22
    +4,57 (+0,08%)
     
  • HANG SENG

    24.569,54
    +27,28 (+0,11%)
     
  • NIKKEI

    23.567,04
    -104,09 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    11.711,00
    +50,25 (+0,43%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6264
    0,0000 (0,00%)
     

Blue Origin quer criar habitats espaciais comerciais já na década de 2020

Patrícia Gnipper
·3 minutos de leitura

Parece que a Blue Origin, empresa de Jeff Bezos focada em voos espaciais comerciais, está mesmo querendo entrar no novíssimo e vindouro mercado de habitats na órbita da Terra — e pode ter a NASA como cliente, inclusive.

A companhia publicou uma vaga de emprego para o que chamou de "Orbital Habitat Formulation Lead', sendo que essa pessoa ficará encarregada de liderar o desenvolvimento de estações espaciais comerciais na órbita baixa do nosso planeta. A ideia da empresa é que as pessoas possam viver e trabalhar no ambiente espacial e, para isso, é preciso criar habitats que permitam essa possibilidade.

Conceito de habitat espacial (Imagem: Reprodução/Blue Origin)
Conceito de habitat espacial (Imagem: Reprodução/Blue Origin)

E onde a NASA entraria na história? Bom, a descrição da vaga também diz que o trabalho exige "uma compreensão detalhada da NASA", com essa pessoa sendo "responsável por captar financiamentos e patrocínios externos e internos para estabelecer os sistemas viáveis na década de 2020". Isso deixa claro que a NASA é um potencial financiador da iniciativa; logo, faz sentido pensar que a agência espacial poderá desfrutar de tais habitats futuristas.

A descrição completa da vaga informa o seguinte:

Como líder de formulação da Blue Origin para a linha de produtos Orbital Habitat, você liderará o desenvolvimento de conceitos técnicos, estratégias de produtos, casos de negócios, relacionamentos com clientes, alcance de modelagem de mercado, parcerias industriais, abordagens de implementação e cadeia de suprimentos. Em parceria com profissionais de desenvolvimento de negócios, você desenvolverá uma compreensão detalhada da NASA, outras necessidades governamentais e comerciais, e orientará o desenvolvimento iterativo da estratégia do produto. Você será responsável por obter financiamento de patrocínio externo e interno para estabelecer sistemas de destino viáveis na baixa órbita da Terra ​​na década de 2020. Você terá um impacto direto na história do voo espacial humano.

A empresa também disse que sua ideia é "fundamentalmente diferente" de estações espaciais como a ISS, uma vez que elas foram projetadas para "equipes pequenas e profissionais treinados". Isso dá a entender que Bezos tem em mente um futuro próximo no qual pessoas que não sejam astronautas e especialistas em atividades espaciais poderão, sim, viver no espaço — e aqui podemos especular que haverá interesses comerciais por trás, não exatamente científicos, uma vez que a Blue Origin é, bem, uma empresa comercial.

Conceito de habitat espacial (Imagem: Reprodução/Blue Origin)
Conceito de habitat espacial (Imagem: Reprodução/Blue Origin)

E quando a empresa de Jeff Bezos pretende lançar seu primeiro habitat espacial do tipo? Bom, por enquanto, nenhuma data foi especulada. Mas, dado o anúncio da vaga para um profissional que busque financiamentos e parcerias a esse projeto, e considerando que a "década de 2020" foi mencionada ali, podemos imaginar que isso deverá se tornar realidade muito antes do que se imagina.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: