Mercado fechará em 3 h 41 min
  • BOVESPA

    109.199,53
    +222,83 (+0,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.808,10
    +139,46 (+0,27%)
     
  • PETROLEO CRU

    75,26
    -1,02 (-1,34%)
     
  • OURO

    1.748,90
    -5,10 (-0,29%)
     
  • BTC-USD

    16.202,21
    -344,54 (-2,08%)
     
  • CMC Crypto 200

    379,21
    -1,08 (-0,28%)
     
  • S&P500

    4.005,13
    -20,99 (-0,52%)
     
  • DOW JONES

    34.215,46
    -131,57 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.479,52
    -7,15 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    17.297,94
    -275,64 (-1,57%)
     
  • NIKKEI

    28.162,83
    -120,20 (-0,42%)
     
  • NASDAQ

    11.754,25
    -28,50 (-0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6152
    -0,0092 (-0,16%)
     

Bloqueios em estradas causam falta pontual de combustíveis em postos

Bloqueio de estrada em Barueri, na Grande São Paulo

Por Marta Nogueira

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A distribuição de combustíveis no Brasil vive momento crítico, diante das interdições por manifestantes em rodovias, e já foi registrada falta pontual de produtos em alguns postos pelo país, como em Santa Catarina, onde a situação é mais preocupante, disseram representantes do setor.

As distribuidoras temem uma piora do cenário com uma crise de desabastecimento, caso seja mantido o atual cenário de manifestações em diversas regiões do país, disse à Reuters a diretora de Downstream do Instituto Brasileiro do Petróleo (IBP), Valéria Lima.

A situação atual é agravada por uma falta de coordenação do governo federal para garantir a entrega de produtos aos postos, segundo a diretora do IBP, que representa as maiores distribuidoras de combustíveis do país, como Vibra, Raízen e Ipiranga.

Os principais pontos de atenção quanto ao risco de desabastecimento de combustíveis no momento são Santa Catarina e Paraná, com grandes reflexos em São Paulo, disse Lima.

"É uma situação crítica o que estamos vivendo", afirmou Lima, em conversa por videoconferência.

As manifestações são realizadas por grupos de apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (PL) insatisfeitos com a derrota nas urnas no domingo.

Bloqueios e interdições atingiam 20 Estados e Distrito Federal na manhã desta terça-feira, apesar de decisões judiciais determinando o desbloqueio e diante da demora de Bolsonaro de comentar o assunto.

Lima pontuou que o IBP tem conseguido acessar os órgãos federais para tratar sobre o tema, mas que não houve uma sala de crise montada, como foi feito nas outras vezes em que o país enfrentou manifestações similares em estradas.

"Sem ação coordenada, fica muito difícil atacar isso... Falta realmente um diálogo articulado com governo federal", pontuou.

Lima explicou que, diante da situação, o IBP tem buscado exercer um papel de coordenação, tentando atuar na medida do possível em contato para além de suas distribuidoras, em conversas com outros agentes de mercado e segmentos que dependem dos combustíveis.

PROBLEMAS PONTUAIS

Em Santa Catarina, os bloqueios nas rodovias atingiram as bases de distribuição de Itajaí, Guaramirim e Biguaçu, prejudicando o abastecimento em várias cidades do Estado, principalmente Joinville, Blumenau, Itajaí, entre outras, segundo o presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo de Santa Catarina, Luiz Antonio Amin.

Os bloqueios continuam e os postos estão sem gasolina e etanol, mas ainda há estoques de diesel, acrescentou.

Além de Santa Catarina, houve falta pontual de combustíveis em alguns postos do Paraná, Minas Gerais e Brasília, segundo representantes do setor.

O presidente da Fecombustíveis, James Thorp Neto, frisou, no entanto, que até o momento houve apenas relatos de sindicatos de que alguns postos estão com mais dificuldades, mas que não há uma situação de desabastecimento no país.

Neto frisou ainda que é preciso cautela nestes momentos, já que em situações anteriores o temor de falta de combustíveis acabou levando a uma corrida aos postos, o que provocou o consumo de estoques e a falta de produtos.

"Não tem relatos de cidades desabastecidas, tem relatos de casos pontuais, de postos com estoques mais curtos", afirmou o presidente da Fecombustíveis, que representa os interesses de cerca de 40 mil postos revendedores de combustíveis que atuam em todo o território nacional.

A reguladora ANP disse em nota que está mantendo contato permanente com as distribuidoras, a fim de monitorar a movimentação das cargas de modo a prevenir que haja desabastecimento.

(Por Marta Nogueira)