Mercado fechará em 2 h 54 min
  • BOVESPA

    107.026,19
    +983,71 (+0,93%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    41.970,83
    +65,77 (+0,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    42,96
    +0,54 (+1,27%)
     
  • OURO

    1.833,30
    -39,10 (-2,09%)
     
  • BTC-USD

    18.289,65
    -165,10 (-0,89%)
     
  • CMC Crypto 200

    360,47
    -0,95 (-0,26%)
     
  • S&P500

    3.571,77
    +14,23 (+0,40%)
     
  • DOW JONES

    29.478,72
    +215,24 (+0,74%)
     
  • FTSE

    6.347,14
    -4,31 (-0,07%)
     
  • HANG SENG

    26.486,20
    +34,66 (+0,13%)
     
  • NIKKEI

    25.527,37
    -106,93 (-0,42%)
     
  • NASDAQ

    11.915,25
    +9,50 (+0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4121
    +0,0322 (+0,50%)
     

Bloqueado nos EUA e na Índia, TikTok também pode ficar suspenso no Japão

Felipe Autran
·1 minuto de leitura

O Japão pode ser o próximo país a seguir os passos dos EUA e da Índia ao considerar bloquear o funcionamento do TikTok no seu território. De acordo com a rede NHK, um grupo de legisladores japoneses do Partido Liberal Democrata está cogitando impor restrições mais severas para aplicativos chineses distribuídos no país.

Assim como no caso dos EUA, o principal argumento é de que esses aplicativos violam a privacidade dos cidadãos japoneses ao coletar seus dados e enviar informações para servidores localizados na China. O objetivo desses legisladores é limitar o uso desses aplicativos para garantir que dados pessoais não vazem de maneira inesperada.

A previsão dos legisladores japoneses é que uma proposta oficial para restringir os aplicativos chineses seja finalizada em setembro e, em seguida, enviada para o governo.

Apenas durante o último mês, o governo indiano bloqueou o acesso ao TikTok e a 100 outros aplicativos desenvolvidos na China, a maioria deles sendo cópias que tentavam se passar pela rede social para atrair usuários desavisados. Nos EUA, a questão já foi comentada por diversos membros do governo, incluindo o secretário de estado Mike Pompeo.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: