Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,74 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,46
    +2,31 (+3,39%)
     
  • OURO

    1.787,30
    -0,80 (-0,04%)
     
  • BTC-USD

    57.233,02
    +2.514,69 (+4,60%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.365,60
    -89,81 (-6,17%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,06 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    24.080,52
    -659,68 (-2,67%)
     
  • NIKKEI

    28.751,62
    -747,68 (-2,53%)
     
  • NASDAQ

    16.143,25
    +92,25 (+0,57%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3011
    +0,0629 (+1,01%)
     

Bloco liderado por Rússia encerra exercício militar perto da fronteira tadjique-afegã

·1 min de leitura

CAMPO DE TREINO DE HARB-MAIDON, Tajiquistão (Reuters) - Um exercício militar liderado pela Rússia realizado durante seis dias perto da fronteira tadjique-afegã, que visava demonstrar que Moscou está pronta para proteger Dushanbe no caso de uma incursão do sul, chegou ao fim neste sábado.

As relações do Tajiquistão com a liderança Taliban em Cabul têm sido tensas desde o início, e relatos de aumento de tropas em ambos os lados da fronteira alarmaram Moscou, que opera uma base militar na ex-república soviética.

O exercício, realizado pela Organização do Tratado de Segurança Coletiva (CSTO), que também inclui Bielorrússia, Armênia, Cazaquistão e Quirguistão, envolveu mais de 4 mil soldados, bem como tanques, artilharia e aeronaves de assalto.

"Esta é a primeira vez que um evento dessa escala está sendo realizado", disse a ministra da Defesa tadjique, Sherali Mirzo, a repórteres no local.

O secretário-geral do CSTO, Stanislav Zas, disse que os jogos de guerra têm como objetivo mostrar "que nenhuma incursão no território do Tadjiquistão será permitida", acrescentando que "não deixaremos o Tadjiquistão sozinho diante do perigo".

Milhões de tadjiques vivem no Afeganistão, compreendendo seu segundo maior grupo étnico, e o presidente do Tajiquistão, Emomali Rakhmon, criticou o Taliban --predominantemente pashtun-- por não ter estabelecido um gabinete etnicamente diverso.

O Taliban formou uma aliança com um grupo militante de etnia tadjique que busca derrubar Rakhmon, de acordo com relatos da mídia russa.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos