Mercado abrirá em 58 mins
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,63 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,59 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,31
    -1,66 (-2,31%)
     
  • OURO

    1.755,70
    +4,30 (+0,25%)
     
  • BTC-USD

    43.919,41
    -3.298,16 (-6,99%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.092,21
    -133,32 (-10,88%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,42 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.849,25
    -114,39 (-1,64%)
     
  • HANG SENG

    24.099,14
    -821,62 (-3,30%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,75 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.102,75
    -223,25 (-1,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1851
    -0,0143 (-0,23%)
     

Blinken se reúne com chefe da OMS e demonstra apoio a investigação sobre origem da pandemia

·2 minuto de leitura
(Arquivo) O secretário de Estado americano, Antony Blinken

O chefe da diplomacia americana, Antony Blinken, se reuniu nesta quarta-feira (28) no Kuwait com o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), a quem manifestou “apoio” à investigação sobre a origem da pandemia na China.

"Os Estados Unidos apoiam o projeto da OMS de realizar estudos complementares sobre as origens da covid-19, inclusive na República Popular da China, para entender melhor a pandemia e prevenir as próximas", tuitou o secretário de Estado após o encontro, que ocorreu à noite, após sua chegada ao país do Golfo. A reunião com Tedros Adhanom Ghebreyesus não estava em sua agenda.

Da mesma forma, "destacou a necessidade de que a próxima fase" da investigação seja conduzida “por especialistas”, de forma “transparente” e “em prazos adequados”, mas também “com base em provas” e “sem interferências", informou seu porta-voz, Ned Price, em um comunicado.

Blinken "insistiu na importância de a comunidade internacional estar de acordo nesta questão crucial".

Ambos mencionaram sua "colaboração para continuar reformando e fortalecendo a OMS", da qual o ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump retirou seu país, denunciando que a agência estava submetida aos interesses da China. Mas seu sucessor, Joe Biden, reincorporou os EUA.

Mais de um ano e meio após o início da pandemia, os cientistas ainda não conseguiram rastrear sua origem e o assunto se tornou objeto de controvérsia entre Washington e Pequim, que mantêm relações tensas.

A teoria de que a covid-19 poderia ter saído de um laboratório em Wuhan, a cidade chinesa onde o coronavírus foi detectado pela primeira vez, no final de 2019, voltou à tona nos últimos meses, apesar da maioria dos especialistas há muito tempo terem descartado essa ideia.

No entanto, a primeira fase da investigação da OMS não lançou luz sobre a polêmica questão.

fff/thm/jvb/lm/ic

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos