Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,23 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,34 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +0,19 (+0,29%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    50.229,68
    +1.746,32 (+3,60%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,20 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,51 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    -11,25 (-0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7811
    -0,0048 (-0,07%)
     

Blinken diz que EUA pagará US$ 200 milhões à OMS

·2 minuto de leitura
(Arquivo) O secretário de Estado americano, Antony Blinken

Os Estados Unidos cumprirão suas obrigações e pagarão mais de 200 milhões de dólares à Organização Mundial da Saúde (OMS) este mês, depois de reverter o plano de retirada de Donald Trump, informou nesta quarta-feira (17) o secretário de Estado, Antony Blinken.

Esse valor corresponde aos compromissos dos Estados Unidos com a OMS, organização na qual é o maior doador.

"Este é um passo fundamental para cumprir nossas obrigações financeiras como membro da OMS e reflete nosso compromisso renovado em garantir que a OMS tenha o apoio de que precisa para liderar a resposta global à pandemia", declarou Blinken em uma reunião do Conselho de Segurança da ONU sobre a covid-19.

"Os Estados Unidos trabalharão como um parceiro para enfrentar os desafios globais. Esta pandemia é um desses desafios e nos dá a oportunidade não só de superar a crise, mas também de sermos mais resilientes e preparados para o futuro", afirmou.

Ele acrescentou que Washington também "fornecerá significativo apoio financeiro" à iniciativa Covax, uma aliança promovida pela OMS para distribuir vacinas entre os países mais desfavorecidos.

Trump, que foi criticado por sua maneira de gerenciar a pandemia no país mais afetado pela covid-19, anunciou em julho a retirada dos Estados Unidos da OMS sob o argumento de que a organização estava comprometida com a China e não fazia o bastante diante da crise sanitária.

O presidente Joe Biden reverteu essa decisão assim que entrou na Casa Branca em 20 de janeiro, ainda quando seu governo continuava pressionando Pequim a colaborar com a equipe da OMS que investigava a origem do vírus.

"Todos os países deveriam ter dados disponíveis desde os primeiros dias da pandemia", ressaltou Blinken.

"E olhando para o futuro, todos os países devem participar de um processo sólido e transparente para evitar e reagir frente às emergências sanitárias para que o mundo aprenda o quanto antes, tudo que for possível", finalizou.

sct/jm/ll/mps/mr/bn