Mercado abrirá em 7 h 46 min
  • BOVESPA

    122.937,87
    +1.057,05 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.371,98
    +152,72 (+0,31%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,46
    +0,19 (+0,29%)
     
  • OURO

    1.868,50
    +0,90 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    45.381,19
    +2.091,63 (+4,83%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.264,15
    +66,24 (+5,53%)
     
  • S&P500

    4.163,29
    -10,56 (-0,25%)
     
  • DOW JONES

    34.327,79
    -54,34 (-0,16%)
     
  • FTSE

    7.032,85
    -10,76 (-0,15%)
     
  • HANG SENG

    28.545,20
    +351,11 (+1,25%)
     
  • NIKKEI

    28.436,70
    +611,87 (+2,20%)
     
  • NASDAQ

    13.347,00
    +43,50 (+0,33%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4158
    +0,0059 (+0,09%)
     

Blinken alerta contra “ações cada vez mais agressivas” da China contra Taiwan

·1 minuto de leitura

WASHINGTON (Reuters) - O secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken, disse neste domingo que os Estados Unidos estão preocupados com as ações agressivas da China contra Taiwan e alertou que quem tentar modificar o status quo no Pacífico Ocidental à força estaria cometendo um “erro grave”.

“O que temos visto, e o que é uma preocupação de verdade para nós, são ações cada vez mais agressivas do governo de Pequim contra Taiwan, aumentando as tensões nos estreitos”, disse Blinken, em uma entrevista ao programa de televisão “Meet the Press”, da NBC.

Pequim culpou os Estados Unidos pelas tensões na quinta-feira, após um navio de guerra norte-americano passar perto de Taiwan.

Os Estados Unidos têm um antigo compromisso, sob o Ato de Relações com Taiwan, de garantir que Taiwan tenha a habilidade de se defender e manter a paz e a segurança no Pacífico Ocidental, disse Blinken.

Questionado se os Estados Unidos responderiam militarmente à ação chinesa em Taiwan, Blinken se recusou a comentar uma situação hipotética.

Taiwan tem reclamando nos últimos meses de repetidas missões da força aérea chinesa próximas à ilha, que a China reivindica como sua.

(Reportagem de Doina Chiacu)