Mercado fechado

BlackRock aposta em ativos emergentes com visão de dólar fraco

Sydney Maki

(Bloomberg) -- A BlackRock, encorajada por sua visão de um dólar estável ou mais fraco em 2020, está dobrando sua preferência por ações de mercados emergentes e dívida em moeda local.

Mesmo quando a ansiedade aumenta em torno do surto de um vírus mortal na China, a empresa aposta em mais apetite ao risco durante os próximos seis a 12 meses. O acordo comercial EUA-China e o acordo EUA-México-Canadá este mês aliviam alguns dos principais fatores de risco que sustentam o dólar, de acordo com o braço de pesquisa da empresa, o BlackRock Investment Institute. Com menos inclinação para buscar segurança, os investidores podem optar por ativos mais arriscados, Mike Pyle em Nova York e Elga Bartsch e Beata Harasim em Londres escreveram.

“O alívio das tensões comerciais deve sustentar o apetite ao risco, reduzindo a demanda de ‘porto seguro’”, escreveram eles. “Nossa visão da moeda sustenta nossa preferência por dívidas de emergentes em moeda local e ações.”

O dólar também perderá força com a pausa do Federal Reserve e da maioria dos outros bancos centrais de mercados desenvolvidos, de acordo com a BlackRock. Isso deixa os bancos centrais de mercados emergentes, que ainda têm espaço para flexibilização, a capacidade de oferecer ainda mais suporte às moedas à medida que o crescimento global estiver mais elevado, escreveram eles.

Além disso, as estratégias de carry são mais atraentes nos mercados emergentes em meio a menor volatilidade. Yuan estável ou ligeiramente valorizado pode impulsionar outras moedas asiáticas emergentes, como a rupia indonésia, disseram eles.

O rublo russo e o real estão “avaliados de forma barata após fortes quedas nos últimos anos”, escreveram eles. “A valorização das moedas emergentes tem historicamente contribuído para retornos positivos nos ativos emergentes em geral”.

Repórter da matéria original: Sydney Maki New York, smaki8@bloomberg.net

Para entrar em contato com os editores responsáveis: Carolina Wilson, cwilson166@bloomberg.net, Alec McCabe

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.