Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    46.625,47
    -6,62 (-0,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7583
    +0,0194 (+0,29%)
     

BlackRock, acusada de discriminação, diz que pode fazer melhor

Annie Massa
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A BlackRock disse que está instituindo novas medidas para abordar questões de diversidade e inclusão depois que dois ex-funcionários fizeram queixas de discriminação contra a empresa.

A dupla de ex-funcionários, em uma carta ao CEO da BlackRock, Larry Fink, publicada na quinta-feira na plataforma Medium, pediu à empresa que reformasse suas práticas, dizendo que sofreram discriminação racial e religiosa durante seu tempo de trabalho na maior gestora de ativos do mundo.

“Embora discordemos do retrato de nossa empresa feito na publicação, devemos reconhecer que há funcionários antigos e atuais que não experimentaram a cultura que aspiramos na BlackRock,” Manish Mehta, chefe global de recursos humanos da BlackRock, escreveu em memorando para a equipe na quinta-feira. A BlackRock será mais transparente no tratamento de reclamações e dirá aos funcionários como eles podem superar os problemas no local de trabalho, de acordo com o memorando.

Os ex-funcionários, Essma Bengabsia e Mugi N. Nguyai, escreveram que a BlackRock deveria divulgar informações mais detalhadas sobre contratação, promoção e atrito para vários grupos raciais, e mudar a forma como seu departamento de recursos humanos lida com reclamações de assédio. Bengabsia é uma mulher árabe-muçulmana americana e Nguyai um homem queniano, de acordo com a publicação do Medium.

“Escrevemos esta carta porque acreditamos que a BlackRock deve e é capaz de fazer melhor”, escreveram Bengabsia e Nguyai. “Mas a mudança não é fácil e requer investimentos e tomada de decisões difíceis.”

No início deste mês, Bengabsia, em publicação no Medium, alegou que foi hostilizada na BlackRock por sua fé, inclusive sendo repreendida publicamente por um colega depois de fazer pausas para oração durante a jornada de trabalho. Nguyai enfrentou “retaliação” após relatar que estava sofrendo assédio e racismo, ele alegou na publicação de quinta-feira.

“Embora nos esforcemos por uma cultura de respeito e pertencimento, alguns de nossos funcionários experimentaram a empresa de uma forma que não é inclusiva”, disse a BlackRock em seu memorando.

Um porta-voz da BlackRock preferiu não comentar além do que foi dito no memorando.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.