Mercado abrirá em 8 h 24 min
  • BOVESPA

    112.611,65
    +1.322,47 (+1,19%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.466,02
    -571,03 (-1,12%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,01
    +0,40 (+0,46%)
     
  • OURO

    1.797,80
    +4,70 (+0,26%)
     
  • BTC-USD

    37.261,00
    +1.073,25 (+2,97%)
     
  • CMC Crypto 200

    844,41
    +24,90 (+3,04%)
     
  • S&P500

    4.326,51
    -23,42 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.160,78
    -7,31 (-0,02%)
     
  • FTSE

    7.554,31
    +84,53 (+1,13%)
     
  • HANG SENG

    23.632,17
    -174,83 (-0,73%)
     
  • NIKKEI

    26.720,06
    +549,76 (+2,10%)
     
  • NASDAQ

    14.141,75
    +155,00 (+1,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0297
    +0,0057 (+0,09%)
     

Black Friday morna e nova variante ligam sinal amarelo na economia

·5 min de leitura

CURITIBA, PR (FOLHAPRESS) - A Black Friday mais morna do que se antecipava e o susto do mercado na semana passada, com a insegurança causada pela ômicron, nova variante do coronavírus, apontam para um fim de ano pior do que o esperado.

Com inflação alta e renda baixa, a tendência é que o consumidor repita no Natal o comportamento que teve na última sexta-feira, priorizando compras de primeira necessidade e menor valor, deixando de lado os bens duráveis.

Economistas ouvidos pela reportagem também não descartam novas revisões para baixo do PIB (Produto Interno Bruto) do último trimestre e de 2021.

"Foi uma Black Friday mais fraca, em termos de volume de vendas. A gente esperava um aumento de 10% na circulação e se observou um aumento de 5%. O faturamento maior se deveu à alta de preços, diante da inflação e da desvalorização do real", diz Fabio Bentes, economista sênior da CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo).

Segundo Bentes, a inflação deste ano tornou mais difícil para o comércio emplacar descontos mais fortes para os consumidores. A CNC aponta que, no ano passado, 46% dos produtos mais buscados na Black Friday tinham potencial alto de desconto. Neste ano, apenas 26%.

"Como a Black Friday é um termômetro para o Natal, a tendência é que o fim de ano seja de faturamento recorde, mas com volume de vendas menor ou no máximo igual ao do ano passado. Há poucos meses, a projeção era de crescimento."

O fim de 2021 já vinha sendo pior mesmo antes da Black Friday, resume o economista João Leal, da Rio Bravo. Com o desempenho de comércio, indústria e serviços ainda fracos desde o terceiro trimestre, os resultados recentes das vendas só mostram a redução do potencial de consumo.

"O que a gente vê é uma piora vindo do exterior, uma situação difícil da cadeia de suprimentos, uma alta de alimentos em 12 meses também é relevante e um esgotamento da demanda de serviços após a reabertura", diz Leal.

Ele pondera que, embora os efeitos na economia da nova variante do coronavírus ainda sejam difíceis de se dimensionar, o cenário-base hoje não é de medidas tão rigorosas quanto as do ano passado. Mesmo que as notícias causem impacto no mercado, parece algo ainda temporário.

"Para 2022, estamos prevendo uma retração do PIB de 0,2%. Mas se a Black Friday confirmar vendas mais fracas também no Natal, pode ser que o quatro trimestre de 2021 seja pior do que se esperava e este ano também. O viés é para baixo em 2021 e 2022."

"A perda de fôlego na economia vem acontecendo, tanto a demanda quanto a produção de bens estão recuando nos últimos meses. Olhando para o exterior, a desaceleração deve causar impacto nos preços das commodities, como o do minério de ferro; no Brasil, a alta de juros vai impactar o comércio nos próximos trimestres", diz Luka Barbosa, economista do Itaú Unibanco.

Um pouco desse efeito nos juros vai se dar no final deste ano, mas a maior parte virá no ano que vem. O cenário do banco para este ano e o quarto trimestre já considera essas dificuldades: eles preveem 4,7% de crescimento para 2021, com 0% no terceiro trimestre e 0% no quarto trimestre.

Sobre a nova variante, Barbosa avalia que, apesar de ser preocupante, há um certo aprendizado no mundo sobre como lidar com a existência do vírus. Na primeira onda, fechou-se tudo; na segunda e na terceira, as medidas já foram mais brandas.

Os indicadores de confiança de novembro também estão negativos e o consumidor se mostra preocupado com o cenário de maior inflação e alta de juros, diz o economista-chefe da MB Associados Sergio Vale.

Mais lembrancinhas "Há uma percepção de que Natal e Black Friday devem se resumir a produtos mais baratos, que caibam no orçamento da população. Vão ser itens de menor valor agregado, sem tantos eletrônicos ou produtos sofisticados."

Vale ressalta que a economia continua sendo muito afetada pela inflação e começa a ficar claro para o cenário mais difícil que se espera para 2022. "O consumidor está com medo de entrar em dívidas pesadas para o ano que vem."

Ele pondera que, embora as notícias sobre aumento de casos de Covid-19 no exterior sejam preocupantes, no Brasil, a adesão à vacina e a queda de óbitos dão algum alívio.

Na última sexta-feira (26), o mercado reagiu com pessimismo às notícias da nova variante ômicron. As ações de empresas mais afetadas por eventuais medidas de restrição de circulação, como as companhias aéreas e de turismo, terminaram o pregão em baixa.

Serviços e turismo Para Bentes, da CNC, a nova variante atrapalha o setor de serviços, que contava com a reabertura para recuperar as perdas do ano passado. "O consumidor pode repensar atividades turísticas, que têm uma alta temporada agora. Mesmo para o turismo doméstico, as pessoas podem ficar mais seguras."

De acordo com a Abav (Associação Brasileira dos Agentes de Viagem), ainda não é possível mensurar a extensão do impacto para os turistas brasileiros. "O que podemos afirmar é que estamos atentos ao cenário, e nossas agências de viagens, aptas a orientar os consumidores."

Segundo a CVC, o período de dezembro marca o início da abertura da temporada de verão no Brasil e, com o avanço da vacinação, atualmente 90% dos embarques dos clientes do grupo são de viagens domésticas, em linha com a preferência histórica dos consumidores nesta época do ano.

Já a Abear (Associação Brasileira das Empresas Aéreas) acompanha com atenção os possíveis desdobramentos da nova variante do coronavírus e informa que aguarda mais informações para poder avaliar os impactos no setor.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos