Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.797,30
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    17.031,64
    +108,69 (+0,64%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

Black Friday | 8 dicas para se prevenir contra a "Black Fraude"

A Black Friday de 2022 será realizada no dia 25 de novembro, no entanto, muitas empresas já começaram a anunciar promoções do "Black November". Para garantir bons descontos, porém, os consumidores devem aprender a identificar quando uma oportunidade é da "black fraude" e evitar as famosas ofertas "pela metade do dobro".

Apesar do cenário financeiro brasileiro, com a alta da inflação e recorde de inadimplentes, o cenário é positivo para os comerciantes. Segundo uma pesquisa, o e-commerce deve crescer 8% na edição deste ano. A Associação Brasileira de Comércio Eletrônico aponta que o evento deve movimentar R$ 6 milhões, com mais de 8 milhões de pedidos.

Para ajudar os consumidores a se protegerem, Wellington Michetti, Head de Prevenção à Fraude da FortBrasil — instituição de pagamento e administradora de cartões de crédito, separou 8 dicas para se prevenir contra a "Black Fraude", confira:

O e-commerce deve crescer 8% na edição deste ano (Imagem: Reprodução/Pexels)
O e-commerce deve crescer 8% na edição deste ano (Imagem: Reprodução/Pexels)

8 dicas para se prevenir contra a "Black Fraude"

1. Monitore preços desde já: a prática do "tudo pela metade do dobro" infelizmente ainda é um erro cometido por diversos lojistas brasileiros. Para evitar cair em um desses casos, monitore os preços dos produtos que deseja adquirir com antecedência em sites de comparação, como Zoom, Buscapé e Jácotei.

Michetti ainda ressalta que o cliente pode se cadastrar em vários sites para receber alertas de preços. "Isso também ajuda a ter em mente o valor que o produto realmente custa e quando a promoção é realmente uma promoção", explica o especialista.

2. Compre de lugares com boa reputação: pesquise a reputação das lojas antes de realizar uma compra, avalie as reclamações dos consumidores e como a empresa responde a elas. Prefira lojas confiáveis e com boas avaliações no Reclame Aqui e no Procon.

3. Desconfie de descontos absurdos: dificilmente produtos muito caros receberão descontos de mais de 50%. Sempre compare as promoções de várias lojas confiáveis e desconfie quando uma promoção estiver muito abaixo do valor de mercado. “Aqui, vale a máxima de que quando a esmola é demais, até o santo desconfia”, diz Michetti.

4. Dê preferência ao pagamento via cartão de crédito: apesar de as lojas estarem dando descontos exclusivos para pagamentos pelo PIX, em casos de fraude, fica quando impossível recuperar o valor da transferência. Os pagamentos pelo cartão de crédito permitem contestação, além de oferecerem a opção de usar cartões virtuais — que podem ser descartados após a compra, protegendo os seus dados pessoais.

5. Cuidado com cupons de desconto: é preciso se atentar aos cupons oferecidos, pois os links de phishing podem conter malware e infectar o seu dispositivo. Um dos pontos que pode entregar se uma oferta é real ou não, é procurar por erros de português e fotos de má qualidade — no geral, os sites fraudulentos são construídos de forma amadora com o único objetivo de aplicar golpes.

6. Nunca faça compras em computadores públicos: Use apenas seu próprio dispositivo para fazer compras, como seu celular ou computador. Evite utilizar redes Wi-Fi públicas ou abertas para realizar compras, como de hospitais e aeroportos, visto que isso facilita a ação de fraudadores.

7. Pesquise sempre sobre a reputação da empresa: confira os dados comerciais da empresa, como CNPJ, endereço e telefone — desconfie de sites que não disponibilizam esse tipo de informação. Utilize plataformas como o Reclame Aqui e páginas mantidas pelo Procon e pelo Ministério da Justiça para verificar reclamações sobre as lojas e como esses problemas foram resolvidos. Verifique também as redes sociais da loja, procure por reclamações nos comentários e veja como a empresa responde.

8. Guarde os comprovantes das compras: Imprima ou salve no computador as telas que indicam que a compra foi realizada, anote códigos de confirmação e guarde e-mails que chegam à sua caixa com os dados da transação.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: