Mercado abrirá em 1 h 48 min
  • BOVESPA

    108.782,15
    -194,55 (-0,18%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.081,33
    -587,31 (-1,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,83
    +1,59 (+2,06%)
     
  • OURO

    1.768,30
    +13,00 (+0,74%)
     
  • BTC-USD

    16.506,17
    +297,09 (+1,83%)
     
  • CMC Crypto 200

    389,86
    +9,57 (+2,52%)
     
  • S&P500

    3.963,94
    -62,18 (-1,54%)
     
  • DOW JONES

    33.849,46
    -497,57 (-1,45%)
     
  • FTSE

    7.514,30
    +40,28 (+0,54%)
     
  • HANG SENG

    18.204,68
    +906,74 (+5,24%)
     
  • NIKKEI

    28.027,84
    -134,99 (-0,48%)
     
  • NASDAQ

    11.659,50
    +43,25 (+0,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5709
    +0,0217 (+0,39%)
     

Black Friday | 74% dos brasileiros preferem comprar no e-commerce

O período de isolamento social durante a pandemia de covid-19 impulsionou o crescimento exponencial do comércio online. Segundo Rita Figueiredo, Head Comercial da WSI Londrina, o e-commerce evoluiu dez anos em dois durante o período. Uma das razões para o sucesso da modalidade se dá pela praticidade e conforto de realizar compras em casa — ou onde quer que esteja.

Dados de um levantamento da SmartHint corrobora com a declaração de Figueiredo, demonstrando um crescimento de 785% no faturamento do e-commerce durante os primeiros cinco meses deste ano, em relação ao mesmo período antes da pandemia. “É o negócio do momento”, afirmou a Head.

Além disso, uma pesquisa da Connected Life aponta que 74% dos brasileiros preferem a facilidade do e-commerce, enquanto 68% afirma realizar pesquisas online antes de comprar em uma loja física. No entanto, outro estudo da McKinsey e Associação Brasileira de Anunciantes (Aba) revela que 80% das empresas nacionais ainda “engatinham” no marketing digital, 23% são iniciantes e 57% emergentes.

Dados apontam que o e-commerce evoluiu dez anos em dois — durante o período de isolamento social na pandemia de covid-19. (Imagem: Reprodução/twenty20photos/Envato)
Dados apontam que o e-commerce evoluiu dez anos em dois — durante o período de isolamento social na pandemia de covid-19. (Imagem: Reprodução/twenty20photos/Envato)

A importância do marketing digital para o e-commerce

Segundo informações levantadas pelo programa Digital AdSpend 2021, com a Kantar Ibope Media, a publicidade digital movimentou R$ 30,2 bilhões no ano passado — aumento de 27% em relação ao ano anterior e 74,2% ante 2020. Para Figueiredo, o marketing digital vai muito além da publicidade tradicional, em que seu objetivo vai além de encontrar potenciais compradores, mas efetivar a venda.

Ela acrescenta que o marketing digital tem custo e risco medidos, o que é muito vantajoso principalmente para pequenas e médias empresas que nem sempre possuem recursos para contratar uma agência de publicidade. “Com a metodologia que WSI trabalha, conseguimos rapidamente saber se estamos no caminho certo para realizar a venda. Já saímos da primeira reunião com um projeto de escopo pronto”, diz.

Para traçar estratégias de maneira segura, o processo inclui várias etapas e encontros para definir a melhor metodologia de ação. Sendo assim, o primeiro passo para vender usando o marketing digital é identificar onde o cliente quer chegar, quem é o seu público e o que será vendido.

A Head ainda ressalta a importância em saber qual equipamento o consumidor usa para acessar as informações da empresa, seja desktop, smartphone ou tablet, para garantir a melhor experiência do usuário: “Uma coisa é um site bonito, cheio de recursos, mas pesado demais. Outra coisa é um site amigável, fácil de navegar”.

Mercado emergente: cresce o número de idosos online

Para aumentar a taxa de conversão da sua loja, é muito importante conhecer bem o perfil do consumidor. Um estudo demonstra que pessoas de 65 a 75 anos estão cada vez mais presentes nas redes sociais. Os dados ainda apontam que de 2015 a 2022, a participação desse grupo cresceu 4.937% no Instagram, 886% no YouTube, 707% no WhatsApp e 255% no Facebook.

“É um novo nicho a ser explorado pelo marketing digital, com atenção às demandas específicas desses consumidores, o que confirma a relevância desse segmento de publicidade”, afirma Rita.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: