Mercado abrirá em 3 h 49 min
  • BOVESPA

    110.909,61
    +2.127,46 (+1,96%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.174,06
    -907,27 (-1,78%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,94
    +0,74 (+0,95%)
     
  • OURO

    1.768,90
    +5,20 (+0,29%)
     
  • BTC-USD

    16.895,87
    +434,32 (+2,64%)
     
  • CMC Crypto 200

    401,55
    +12,82 (+3,30%)
     
  • S&P500

    3.957,63
    -6,31 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    33.852,53
    +3,07 (+0,01%)
     
  • FTSE

    7.512,00
    0,00 (0,00%)
     
  • HANG SENG

    18.621,22
    +416,54 (+2,29%)
     
  • NIKKEI

    27.968,99
    -58,85 (-0,21%)
     
  • NASDAQ

    11.542,75
    +18,00 (+0,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4703
    +0,0137 (+0,25%)
     

Black Friday | 62,5% dos consumidores planejam fazer as compras no dia do evento

Nesta sexta-feira (25), acontece o principal evento comercial do ano: a Black Friday. A edição deste ano está sendo estimulada principalmente pela ocorrência do Mundial de Futebol, que estreou no último domingo (20). A expectativa dos comerciantes é alta, segundo um levantamento da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (Abcomm) prevê que a data movimente R$ 6,05 bilhões no e-commerce.

Uma pesquisa realizada pela Olist, focou na intenção de compra e venda do evento, entrevistando mais de 300 pessoas. O levantamento aponta que, apesar das ofertas ao longo do mês, 62,5% dos brasileiros deixarão para comprar no dia do evento. As categorias favoritas dos entrevistados são: eletrodomésticos (51,6%), eletrônicos (32,8%), e itens de decoração para casa (31,2%).

Para Alexander Clein, diretor comercial do Olist, o comportamento dos consumidores de querer comprar no dia da Black Friday podem ser explicados pelo avanço do mercado digital e o cenário econômico atual: “Com maior cautela na aquisição por receio de endividamento e o fato de acessar milhares de lojas na palma da mão pelo celular, ele tem maior liberdade para pesquisar e comparar preços e assim fazer uma decisão mais assertiva deixando para o dia da Black Friday”.

E-commerces já faturaram R$ 238 milhões nas vésperas do evento (Imagem: Reprodução/Freepik)
E-commerces já faturaram R$ 238 milhões nas vésperas do evento (Imagem: Reprodução/Freepik)

Além disso, o diretor ainda ressalta a influência da Copa do Mundo nas escolhas de compras dos clientes. A flexibilidade do home office e os horários das partidas, explicam a grande intenção de compra de itens como Tvs, projetores, home theaters, produtos para churrasco, entre outros, que “melhoram a experiência de assistir a Copa em casa”.

Dentre os fatores decisivos para uma compra, 75% dos entrevistados declararam que o preço é o principal, seguido pela qualidade do produto e opções de frete. Clein destaca, porém, a pouca relevância que a reputação das lojas virtuais tem entre os clientes.

Somente 3,1% dos entrevistados afirmam que as avaliações das lojas são consideradas para realizar ou não uma compra. “Checar a reputação e as recomendações sobre o lojista é fundamental para a segurança de quem pretende aproveitar as ofertas e descontos e assim evitar frustrações”, avalia o diretor.

Sobre os canais de venda, marketplaces de peso como Mercado Livre, Americanas e Amazon se destacam, com 74,6% dos entrevistados. Em seguida estão as empresas que atuam com e-commerce próprio (37,%) e lojas físicas (23,4%).

61,8% dos lojistas quer aumentar o volume de vendas durante a Black Friday

Entre os lojistas entrevistados, o levantamento apontou que a prioridade de 61,8% deles é aumentar o volume de vendas durante o período. Dentre as outras intenções, temos: girar o estoque (19,5%), ganhar reconhecimento (8,8%) e aumentar o tíquete médio (6,5%). Os produtos de tíquete médio mais baixo serão a aposta em categorias, como: Casa e Decoração (32,1%), moda e acessórios (17,2%), perfumes e cosméticos (16,4%).

Sobre os canais de venda, o mercado digital é o foco principal dos empreendedores. Segundo o estudo da Olist, 77,5% está presente em marketplaces de grande visibilidade, enquanto 35,9% investirão nas redes sociais. Os canais de e-commerce próprios ficam por último com 33,6%.

“Na Black Friday, vemos a união de ofertas competitivas e uma alta intenção de compra. É por isso que a data continua representando uma chance relevante para lojistas aumentarem o faturamento no segundo semestre”, finaliza Alexander.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: