Mercado fechará em 6 h 9 min
  • BOVESPA

    110.186,54
    -394,25 (-0,36%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.404,84
    +100,80 (+0,20%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,44
    +0,67 (+0,61%)
     
  • OURO

    1.850,00
    -15,40 (-0,83%)
     
  • BTC-USD

    29.635,14
    +466,29 (+1,60%)
     
  • CMC Crypto 200

    660,83
    -10,17 (-1,52%)
     
  • S&P500

    3.944,78
    +3,30 (+0,08%)
     
  • DOW JONES

    31.959,96
    +31,34 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.527,96
    +43,61 (+0,58%)
     
  • HANG SENG

    20.171,27
    +59,17 (+0,29%)
     
  • NIKKEI

    26.677,80
    -70,34 (-0,26%)
     
  • NASDAQ

    11.830,00
    +59,00 (+0,50%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1564
    -0,0158 (-0,31%)
     

Bitcoin sofre sua maior perda da história

·2 min de leitura
Pessoa segurando celular com Bitcoin em queda
Pessoa segurando celular com Bitcoin em queda

Embora a recente correção do Bitcoin não seja a maior em termos percentuais, esta já é a maior perda da sua história após perder 639 bilhões de dólares (R$ 3,5 trilhões) em capitalização de mercado. Superando assim a queda de abril do ano passado, quando o perdeu U$ 626 bilhões (R$ 3,4 tri), segundo dados do CoinGecko.

Saindo de um topo histórico de 69 mil dólares em novembro de 2021 para os 33 mil dólares nesta segunda-feira (24), a queda acumulada já passa os 50%. Colocando-a como a sexta-maior correção em termos percentuais.

Enquanto isso, analistas enxergam um forte suporte na região dos 30 mil dólares. Mesmo sendo um bom alvo para realizar aportes, para os mais conservadores é importante esperar por um pivô de alta antes, afinal é difícil saber quanto tempo este inverno das criptomoedas vai durar.

Correção do Bitcoin não é novidade

Sendo o mercado mais livre de todos, não é surpresa que o Bitcoin enfrente grandes correções, afinal ele é negociado mundialmente 24/7, sem circuit breaker ou com injeções de dinheiro estatal para salvá-lo, como acontece em outros mercados.

Até o momento, a queda de 52% desde seu topo histórico de novembro de ano passado já é a sexta maior de toda história. Apesar disso, é a maior perda de capitalização de mercado do Bitcoin, 634 bilhões de dólares (R$ 3,5 trilhões), ou seja, a maior de todas.

Maiores correções do Bitcoin
Maiores correções do Bitcoin

A grande questão para todos investidores é até onde essa queda vai, bem como quanto tempo durará o inverno das criptomoedas. Afinal, o Bitcoin sempre se recuperou destas quedas.

Por hora, seu suporte mais forte está na região dos 30 mil dólares, todavia é importante ter cautela para não “pegar a faca caindo”.

Já para quem continua comprado, o importante é não vender na baixa, ou seja, enquanto o Bitcoin estiver acima dos 30 mil dólares está ótimo. Caso rompa este suporte, a situação se complica.

O que causou a queda do Bitcoin?

Desta vez não aconteceu nenhum evento que justifique tamanha queda. Na verdade o Bitcoin já vinha em baixa desde novembro quando o Fed começou a se preocupar com a inflação, reduzindo estímulos.

Além disso, a rejeição de um ETF de Bitcoin à vista pela SEC, naquele mesmo mês, também esfriou o mercado. Um dos motivos citados foi a possível manipulação do mercado.

Por fim, o mercado já estava bem esticado e sem instituições comprando Bitcoin através de um ETF, muitos começaram a entender que o Bitcoin não chegaria nos 100 mil dólares e começaram a realizar seus ganhos.

Quanto ao sentimento geral, ainda está positivo com grandes empresas como Intel entrando no setor de mineração e Google considerando trabalhar com criptomoedas. Com isso, esta queda pode ser ótima para realizar aportes em projetos que vão sobreviver a este inverno.

Fonte: Livecoins

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos