Mercado abrirá em 32 mins
  • BOVESPA

    109.951,49
    +2.121,77 (+1,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.125,01
    -210,50 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,70
    +0,23 (+0,29%)
     
  • OURO

    1.893,90
    +3,20 (+0,17%)
     
  • BTC-USD

    22.704,72
    -478,12 (-2,06%)
     
  • CMC Crypto 200

    522,86
    -14,03 (-2,61%)
     
  • S&P500

    4.117,86
    -46,14 (-1,11%)
     
  • DOW JONES

    33.949,01
    -207,68 (-0,61%)
     
  • FTSE

    7.942,06
    +56,89 (+0,72%)
     
  • HANG SENG

    21.624,36
    +340,84 (+1,60%)
     
  • NIKKEI

    27.584,35
    -22,11 (-0,08%)
     
  • NASDAQ

    12.694,00
    +148,75 (+1,19%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5843
    +0,0169 (+0,30%)
     

Bitcoin foi o pior investimento de 2022

Investidores conversando.
Investidores conversando.

Em um ano marcado por golpes e falências de gigantes, o Bitcoin teve um dos piores desempenhos anuais desde sua criação. Segundo levantamento do Canaltech, a queda de 66% do Bitcoin fez com que ele fechasse o ano como o pior investimento de 2022.

Já na segunda pior colocação aparece o índice de BDR (Brazilian Deposit Receipts), mas ainda longe do Bitcoin, com uma queda de 28,36%. Completando este pódio nada louvável estão as small caps, ou seja, as empresas de pequena capitalização, com perdas de 16,94%.

Como consequência da queda do Bitcoin, vimos uma bola de neve expor diversos fracassos da indústria. Como exemplo, a maior mineradora de Bitcoin já até mesmo declarou falência, enquanto isso o GBTC, maior fundo cripto do mundo, está sendo negociado por um desconto de quase 50%.

Bancos centrais tiveram papel importante na queda do Bitcoin

Além dos fiascos da LUNA e da FTX, em maio e novembro, respectivamente, o Bitcoin foi esmagado pela política do Banco Central dos EUA. Disposto a combater a inflação do dólar, o Fed iniciou um aumento na taxa de juros ainda em novembro de 2021, mês em que o Bitcoin atingia seu topo histórico.

Desde então, tal taxa já saltou para 4,5%, afetando investimentos de alto risco. O mesmo aconteceu em diversos outros países, incluindo o Brasil, cuja Taxa Selic está cotada em 13,75 ao ano.

Por conta disso, investimentos de renda fixa como CDI se saíram bem em 2022 enquanto o Bitcoin caia. Segundo o Canaltech, o CDI rendeu 11,99% no ano passado, enquanto o Bitcoin despencava 66,6%.

Já na primeira colocação aparece o Índice de Fundos Multimercados (IHFA), com retornos de 12,67%. Fechando o top 3 aparece o Índice de Dividendos (IDIV), fechando o ano com lucros de 10,9%.

Bitcoin, o pior investimento 2022

Enquanto isso, o meio da tabela apresenta investimentos mais defensivos. Poupança, por exemplo, fechou o ano com 7,9%. Já o ouro, um dos maiores rivais do Bitcoin, teve uma queda de 10,3%, ficando entre euro e dólar, com quedas de 12,62% e 6,76%, respectivamente.

investimentos 2022
Retornos de investimentos em 2022, Bitcoin na pior colocação enquanto CDI garantiu bons retornos. Fonte: Canaltech.

Portanto, enquanto bancos centrais continuarem lutando contra a inflação, fortalecendo suas moedas, é provável que o Bitcoin tenha dificuldades em subir. Ou seja, tudo promete que 2023 seja mais um ano difícil para tais investidores.

Por fim, vale notar que outras criptomoedas tiveram um desempenho ainda pior que o Bitcoin. LUNA e FTT, ambas ligadas aos maiores fiascos do ano passado, perderam quase todo seu valor, liderando a lista das piores criptomoedas de 2022.

Fonte: Livecoins

Veja mais notícias sobre Bitcoin. Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.