Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,45 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,09 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.782,10
    +21,40 (+1,22%)
     
  • BTC-USD

    49.056,95
    -3.058,49 (-5,87%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,71 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

Bitcoin estreia como fundo de índice na Bolsa de NY e chega a US$ 64 mil

·2 min de leitura

Nesta terça (19), o Bitcoin fez sua estreia na Bolsa de Valores de Nova York como um fundo de índice. A novidade foi positiva para a criptomoeda, fazendo com que o ativo digital atingisse novamente seu recorde histórico, sendo negociada acima dos US$ 64 mil (cerca de R$ 357 mil na cotação atual).

Um fundo de índice (Exchange Traded Funds, em inglês. Sigla ETF) é um tipo de investimento passivo, baseado em uma carteira teórica que acompanha um índice de referência. Com o ETF, o investidor não escolhe ações de determinadas empresas listadas na Bolsa de Valores, mas sim o índice, como o Ibovespa.

Para o Bitcoin, isso significa, de forma resumida, que pessoas podem começar a investir no criptoativo sem necessariamente precisar adquirir unidades da criptomoeda. Para Michael L. Sapir, CEO da ProShares, empresa responsável pela administração do ETF do Bitcoin, a iniciativa permitirá que investidores do mercado tradicional que não querem se envolver diretamente com o comércio de criptomoedas possam começar a participar do mercado de criptoativos.

A estréia desse fundo de índice na Bolsa de Valores de Nova Iorque resultou em uma alta notável no valor do Bitcoin. A criptomoeda passou boa parte de setembro sendo negociada abaixo dos US$ 50 mil, após sua legalização em El Salvador gerou antecipação do mercado e ocasionando um movimento de venda das criptomoedas, fazendo com que investidores, em um primeiro momento, perdessem confiança no ativo.

<em>Gráfico mostrando a alta do Bitcoin durante o dia 19 de outubro. (Imagem: Captura de Tela/Dácio Augusto/Canaltech)</em>
Gráfico mostrando a alta do Bitcoin durante o dia 19 de outubro. (Imagem: Captura de Tela/Dácio Augusto/Canaltech)

No começo de outubro, porém, a confirmação que os Estados Unidos não iria banir a moeda de seu território, além da própria época ser propícia para a negociação do ativo, fizeram ela voltar a ter alta, chegando a romper a barreira dos US$ 52 mil (cerca de R$ 284 mil).

Finalmente, com a estreia do fundo de índice do Bitcoin na Bolsa de Valores de Nova Iorque, a criptomoeda atingiu novamente seu maior valor, de US$ 64 mil. Esse recorde foi atingindo pela primeira vez em abril deste ano, por conta da expectativa da estreia da corretora de moedas digitais Coinbase na bolsa estadunidense Nasdaq.

Até a publicação desta matéria, o Bitcoin ainda estava em alta, e era negociado por US$ 64,2 mil (cerca de R$ 358 mil). Se a tendência continuar, é possível que nos próximos dias, a criptomoeda supere ainda mais este valor, estabelecendo um novo recorde.


Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos