Mercado fechará em 3 h 32 min
  • BOVESPA

    100.706,72
    -56,88 (-0,06%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.215,66
    -79,17 (-0,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    111,25
    +1,68 (+1,53%)
     
  • OURO

    1.823,80
    -1,00 (-0,05%)
     
  • BTC-USD

    20.662,46
    -47,38 (-0,23%)
     
  • CMC Crypto 200

    449,67
    -0,39 (-0,09%)
     
  • S&P500

    3.861,17
    -38,94 (-1,00%)
     
  • DOW JONES

    31.265,29
    -172,97 (-0,55%)
     
  • FTSE

    7.323,41
    +65,09 (+0,90%)
     
  • HANG SENG

    22.418,97
    +189,45 (+0,85%)
     
  • NIKKEI

    27.049,47
    +178,20 (+0,66%)
     
  • NASDAQ

    11.767,75
    -272,75 (-2,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5303
    -0,0138 (-0,25%)
     

Bitcoin é usado por argentinos para fugir da inflação

A inflação na Argentina atinge atualmente seu maior patamar dos últimos 30 anos. Segundo informou o Instituto Nacional de Estatística de Censos (Indec), o índice de preços ao consumidor registrou de abril de 2021 ao mesmo período deste ano um aumento de 58%. Com a alta recorde do índice no país, cerca de 37,3% da população está no nível abaixo da linha da pobreza.

Com a desvalorização da moeda, o Peso argentino, a população tem se interessado cada vez mais pelas criptomoedas. É o que mostra um relatório intitulado "Inteligência de Mercado das Américas", divulgado pela Reuters nesta segunda-feira (30). De acordo com a agência de notícias britânica, o Bitcoin tem atraído os argentinos que buscam escapar da inflação. O levantamento aponta crescimento de 12% no interesse dos hermanos pelo ativo digital, o dobro do nível do México e do Peru.

Um estudo realizado em 2021 pela Triple A, Aliança Anticomunista Argentina, mostrou que cerca de 3% da população do país utiliza criptomoedas no dia a dia. Esse número indica um total de mais de 1,3 milhão de pessoas. Segundo o relatório, a moeda digital DAI, uma stablecoin (moeda estável cujo valor é pareado ao dólar) foi a preferida na hora de transformar pesos argentinos em dólares americanos.

Inflação na Argentina tem levado ao empobrecimento da população. Bitcoin atua como reserva de valor, ante a forte desvalorização da moeda do país (Imagem: Reprodução/Envato-Puhimec)
Inflação na Argentina tem levado ao empobrecimento da população. Bitcoin atua como reserva de valor, ante a forte desvalorização da moeda do país (Imagem: Reprodução/Envato-Puhimec)

Interessado no crescimento das moedas digitais, o Galicia, maior banco do país, anunciou no último dia 2 de maio que seus clientes poderiam negociar criptomoedas. Contudo, poucos dias depois, em 6 de maio, o Banco Central argentino (BCRA) obrigou o Galicia a interromper as operações envolvendo criptos, alegando que era necessário "mitigar os riscos associados com as operações envolvendo ativos digitais".

O BCRA também proibiu que instituições financeiras do país oferecessem essa modalidade de investimento aos seus clientes. No entanto, a busca por opções rentáveis para compensar a desvalorização do Peso argentino segue em alta. Ainda é cedo para dizer o governo vai ceder ao movimento do mercado, mas a tendência de procura pelo Bitcoin e outras alternativas indica que as criptomoedas devem seguir aquecidas entre nossos vizinhos.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos