Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.093,88 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,94 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,17
    +0,26 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.802,10
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    33.807,79
    +1.468,48 (+4,54%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,20 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,86 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.091,25
    +162,75 (+1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1216
    +0,0014 (+0,02%)
     

Bitcoin é investimento com a maior alta no semestre e bolsa sobe pelo quarto mês seguido

·6 minuto de leitura
***FOTO DE ARQUIVO*** São Paulo, SP, Brasil, 24-01-2019: Cédulas de dólar. Papel Moeda. Dinheiro. (Foto Gabriel Cabral/Folhapress)
***FOTO DE ARQUIVO*** São Paulo, SP, Brasil, 24-01-2019: Cédulas de dólar. Papel Moeda. Dinheiro. (Foto Gabriel Cabral/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O bitcoin é o ativo que mais se valorizou no primeiro semestre de 2021, de acordo com o buscador de investimentos Yubb, que considera as aplicações mais populares entre brasileiros.

A criptomoeda acumulou alta de 19,65% no período, sendo o único ativo do levantamento a superar o IGP-M (Índice Geral de Preços ao Mercado, usado no reajuste dos aluguéis), que sobe 15,08% neste ano.

A disparada de 103% do bitcoin nos três primeiros meses do ano, com a entrada de investidores institucionais, superou a queda de 41,3% no segundo trimestre, com diversas pressões regulatórias sobre o setor.

"No primeiro trimestre, o bitcoin vinha de uma alta que havia se iniciado no ano de 2020 e foi quebrando máximas históricas em sequência até atingir o seu pico, na casa dos US$ 63 mil", diz Vinícius Chagas, analista da Blockchain Academy.

No segundo trimestre, porém, as discussões a respeito do consumo energético de mineração do bitcoin, com destaque para o fim do uso da moeda pela Tesla, e a pressão chinesa em cima dos mineradores e dos reguladores de mercado, levaram a uma realização.

"Nem mesmo a grande notícia de que o Bitcoin passa a ter curso legal em El Salvador serviu para retomar o otimismo no mercado", diz Chagas.

O Ibovespa, por sua vez, é um dos investimentos com a maior rentabilidade no semestre (6,5%) e em junho (0,46%), na quarta alta mensal seguida do índice.

“Estamos encerrando o semestre de um jeito bem melhor do que começamos”, diz João Leal, economista da Rio Bravo.

A recuperação da queda de 7,5% do índice nos dois primeiros meses do ano foi impulsionada por dados econômicos melhores do que o esperado, como o PIB (Produto Interno Bruto) do primeiro trimestre, que subiu 1,2%, e pelo avanço da vacinação contra o coronavírus.

No início do mês, o Ibovespa estabeleceu um novo recorde nominal (sem contar a inflação), aos 130.776 pontos.

Leal também ressalta a relativa tranquilidade em Brasília em comparação a períodos passados. “Tivemos a falta de novos estresses. O governo se manteve mais comedido na parte fiscal e política.”

Já o dólar terminou a quarta a R$ 4,9720, alta de 0,60% no pregão. Na máxima, foi a R$ 5,0240. Desde o dia 22 de junho a moeda não era negociada acima de R$ 5.

Em junho, a moeda cedeu 4,8%, rompendo a barreira psicológica dos R$ 5 pela primeira vez em pouco mais de um ano. Este foi o terceiro mês seguido de queda da divisa dos EUA ante o real, que, no semestre, cedeu 4,18%.

A desvalorização foi fruto do ciclo de alta de juros no Brasil. A Selic, que estava a 2% no início do ano, foi para 4,25% e o mercado vê a taxa a 6,5% ao fim do ano.

Juros mais altos no Brasil tendem a beneficiar o real por estratégias de carry trade. Elas consistem na tomada de empréstimos em moeda de país de juro baixo (como o dólar) e compra de contratos futuros da divisa de juro maior (como o real). O investidor, assim, ganha com a diferença de taxas.

Além disso, a dívida pública em relação ao PIB caiu nos últimos meses, atraindo investidores estrangeiros. Na terceira queda mensal consecutiva, a dívida bruta do governo foi a 84,5% do PIB em maio, segundo o Banco Central.

Na Bolsa, há uma entrada líquida de R$ 65 bilhões de investimento estrangeiro este ano, segundo dados da B3 até a segunda (28), o que impulsionou a alta da Bolsa e a queda do dólar.

Nos Estados Unidos, o índice S&P 500 subiu 14,4% no primeiro semestre, com cinco meses consecutivos em alta, enquanto o Dow quebrou uma sequência de quatro meses de ganhos e terminou junho em baixa de 0,08%, com ganho de 12,7% no semestre. O Nasdaq também ganhou terreno em junho, subindo 5,5% e no semestre, 12,5%.

Todos os três índices registraram o quinto trimestre consecutivo de ganhos, com o S&P subindo 8,2%, o Nasdaq avançando 9,5% e o Dow cravando alta de 4,6%.

Nesta quarta, o S&P 500 registrou sua quinta sessão consecutiva com máximas recordes de fechamento, acumulando ganhos de 2,27% em junho.

Neste mês, o apetite do investidor favoreceu ações de crescimento, com um afastamento de papéis sensíveis aos ciclos econômicos.

"Os setores líderes até este momento do ano são aqueles que você esperaria: energia, finanças e indústria, e isso reflete um ambiente econômico que está nos estágios iniciais de um ciclo", disse Robert Pavlik, gestor de portfólios da Dakota Wealth.

Ele diz que os investidores começaram a voltar para as ações de crescimento depois que o presidente do Fed (banco central americano), Jerome Powell, voltou a dizer que a pressão inflacionária é transitória.

Nesta quarta, o Dow Jones fechou em alta de 0,61%, enquanto o S&P 500 subiu 0,13%, e o Nasdaq recuou 0,17%.

Neste pregão, o Ibovespa cedeu 0,41%, a 126.801,66 pontos.

As altas do índice em junho foram lideradas por Via Varejo (21,65%), Braskem (18,93%) e CVC (15,85%). Na ponta de baixa, os destaques foram Gol (-14,36%), Cielo (13,54%) e RaiaDrogasil(-12,21%).

"A recuperação econômica continua a todo vapor no Brasil e no mundo", afirmou o diretor de investimentos da Reach Capital, Ricardo Campos, acrescentando que isso prejudica o cenário de estímulos fiscais e monetários em abundância.

Os últimos pregões do mês ainda refletiram a reação a mudanças tributárias propostas pelo governo brasileiro, incluindo aumento do limite de isenção do IR a pessoas físicas e redução da alíquota sobre empresas, mas taxação de dividendos e o fim do benefício fiscal de juros sobre o capital próprio.

Do ponto de vista do acionista, afirmaram os estrategistas do Itaú BBA Marcelo Sa e Matheus Marques, em relatório encaminhado a clientes nesta semana, a redução dos impostos sobre empresas não seria suficiente para compensar o fim do mecanismo de JCP e a tributação sobre dividendos.

Eles acrescentaram, contudo, que este debate é muito complexo e que acreditam que pode haver mudanças significativas no projeto antes de ser colocado em votação.

No pregão desta quarta, a maior alta foi do Banco Inter (5,36%), após aprovar pagamento de juros sobre capital próprio e em meio a movimento recente de estrangeiros comprando participações em fintechs brasileiras.

A maior queda foi de B2W (3,80%), com outras varejistas também em queda, após números ainda negativos sobre a recuperação do mercado de trabalho no país.

Os preços do petróleo avançaram nesta quarta, em direção a ganhos mensais e trimestrais, após os estoques dos EUA recuarem pela sexta semana consecutiva, e com relatório da Opep prevendo um suprimento insuficiente ao mercado deste ano.

O contrato do petróleo Brent (referência internacional) para agosto, que expira nesta quarta, fechou em alta de 0,5%, a US$ 75,13 o barril, subindo mais de 8% em junho.

O patamar está abaixo das máximas atingidas em 2018 marcam o sétimo mês de ganhos em oito meses.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos