Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.647,99
    +1.462,52 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.798,38
    +658,14 (+1,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,66
    +1,35 (+1,66%)
     
  • OURO

    1.768,10
    -29,80 (-1,66%)
     
  • BTC-USD

    61.172,00
    -371,14 (-0,60%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.464,06
    +57,32 (+4,07%)
     
  • S&P500

    4.471,37
    +33,11 (+0,75%)
     
  • DOW JONES

    35.294,76
    +382,20 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.234,03
    +26,32 (+0,37%)
     
  • HANG SENG

    25.330,96
    +368,37 (+1,48%)
     
  • NIKKEI

    29.068,63
    +517,70 (+1,81%)
     
  • NASDAQ

    15.144,25
    +107,00 (+0,71%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3297
    -0,0741 (-1,16%)
     

Bitcoin é banido na China; país proíbe todas as transações em criptomoedas

·2 minuto de leitura
Bitcoin é banido na China; país proíbe todas as transações em criptomoedas
Bitcoin é banido na China; país proíbe todas as transações em criptomoedas

Enquanto países como a Ucrânia legalizam o uso do bitcoin, a repressão da China às criptomoedas ganhou um novo capítulo importante nesta sexta-feira (24). Agora, o banco central do país decidiu tomar uma medida drástica: o órgão decidiu que todas as transações relacionadas aos ativos digitais são ilegais.

O Banco Popular da China emitiu um comunicado oficial sobre a mudança em conjunto com outros órgãos governamentais. As autoridades afirmam que “existem riscos legais para indivíduos e organizações que participam de atividades comerciais” com criptomoedas.

Os cidadãos chineses que trabalham ou residem no exterior também não estão isentos da medida. Segundo o Financial Times, o governo local diz que eles também serão investigados no rigor da lei.

Leia mais:

Criptomoedas em queda

Como era de se esperar, as criptomoedas estão novamente em queda livre após a decisão. Atualmente, o bitcoin já caiu 4,5%, o ethereum, por sua vez, registra queda de 7,5%.

A medida chega após uma mensagem do Partido Comunista Chinês que já visava proibir de vez a mineração de criptomoedas e alertava as instituições financeiras para não participarem de transações com ativos digitais.

Ilustração do bitcoin em queda
Decisão do governo chinês refletiu na cotação do bitcoin. Imagem: 1698/Shutterstock

Crise imobiliária na China

O duro golpe ocorre em um momento chave na China, em que o setor imobiliário enfrenta uma crise sem precedentes de liquidez de dívidas. Algo que pode acabar impactando em todo o resto da economia do país.

Alguns analistas, inclusive, comparam a crise da Evergrande — um grupo de construção civil chinês que está chacoalhando o mercado com a possibilidade de calote de uma dívida de US$ 300 bilhões — ao que ocorreu com a Lehman Brothers, a corretora americana que faliu em 2008, dando início a forte crise de hipotecas nos Estados Unidos. Também há a possibilidade de o governo chinês intervir, evitando o chamado “efeito cascata” na economia.

Fluxo de capital

Por ora, o grande temor é: se os problemas da Evergrande refletirem pela economia chinesa, os investidores podem mover o seu dinheiro para fora do país. O governo chinês já restringe esse fluxo de capital, preferindo que os investidores mantenham o dinheiro circulando na economia do país.

No entanto, quando o assunto são criptomoedas, fica mais difícil controlar essa saída devido à natureza anônima e à facilidade com que os ativos digitais podem ser convertidos em outras moedas.

No fim, tudo indica que a repressão dos criptoativos na China não ocorreu apenas por conta dos impactos negativos da mineração no meio ambiente ou pelo fato dos ativos estarem comumente ligados a transações ilícitas. Outro fator mais relevante é: o governo chinês provavelmente reconhece os riscos de um setor imobiliário gigantesco prestes a “explodir”, e está tentando limitar as consequências quando o “estouro da bolha” vier restringindo ainda mais o setor de criptomoedas no país.

Créditos da imagem principal: phanurak rubpol/Shutterstock

Via: Arstechnica, Financial Times

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos