Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.375,37
    -1.055,17 (-0,93%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.797,18
    +232,91 (+0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,01
    -1,86 (-2,36%)
     
  • OURO

    1.961,70
    +16,40 (+0,84%)
     
  • BTC-USD

    23.406,06
    +280,89 (+1,21%)
     
  • CMC Crypto 200

    531,33
    +288,65 (+118,94%)
     
  • S&P500

    4.118,98
    +42,38 (+1,04%)
     
  • DOW JONES

    34.122,80
    +36,76 (+0,11%)
     
  • FTSE

    7.761,11
    -10,59 (-0,14%)
     
  • HANG SENG

    22.072,18
    +229,85 (+1,05%)
     
  • NIKKEI

    27.346,88
    +19,77 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.450,50
    +298,50 (+2,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5539
    +0,0383 (+0,69%)
     

Birol, da IEA, prevê mercados de energia mais apertados em 2023

Fatih Birol, diretor executivo da IEA

Por Divya Chowdhury e Maha El Dahan

DAVOS, Suíça (Reuters) - O chefe da Agência Internacional de Energia (IEA), Fatih Birol, disse nesta quinta-feira que os mercados de energia podem ficar mais apertados em 2023, acrescentando esperar que os preços não subam ainda mais a fim de aliviar a pressão sobre os países em desenvolvimento que são importadores de energia.

"Eu não ficaria muito relaxado com os mercados e 2023 pode muito bem ser um ano em que veremos mercados mais apertados do que alguns colegas podem pensar", disse o diretor executivo da IEA, Birol, em entrevista ao Fórum de Mercados Globais da Reuters em Davos.

Os futuros do petróleo Brent caíam cerca de 0,8% no início da tarde, a aproximadamente 85,6 dólares o barril.

Dois representantes de países da Opep+, o ministro da energia dos Emirados Árabes Unidos, Suhail al-Mazrouei, e o chefe da Saudi Aramco, Amin Nasser, disseram esta semana que veem os mercados de petróleo como equilibrados.

Birol disse à Reuters nos bastidores da reunião anual do Fórum Econômico Mundial (WEF) em Davos que, embora atualmente não haja aperto no mercado, há incertezas a serem observadas, como a demanda chinesa e a oferta russa.

"Se a economia chinesa se recuperar este ano, o que muitas instituições financeiras esperam, então poderemos ver a demanda muito forte e pressão nos mercados", disse ele.

Sobre a Rússia, Birol disse que há muitos pontos de interrogação sobre capacidade do país de exportar por causa das sanções ocidentais, mas também a longo prazo por causa de seus próprios desafios.

As empresas internacionais que ajudaram os campos de petróleo russos a se tornarem produtivos foram embora, disse ele.

"Olhando um pouco mais a longo prazo, acredito que a indústria de petróleo da Rússia enfrentará enormes desafios."

A IEA superestimou o impacto das sanções ocidentais sobre os volumes de exportação de petróleo da Rússia no início da invasão da Ucrânia por uma ampla margem, dizendo que os mercados de petróleo poderiam perder até 3 milhões de barris por dia.

Birol disse que as exportações russas de petróleo pareciam mais "resilientes" do que o previsto no início do ano passado, mas que estavam corretos em termos de "direção da viagem".

"As exportações de petróleo da Rússia estão caindo agora, como previmos, e cairão ainda mais no primeiro trimestre deste ano e além", disse ele, acrescentando que o petróleo e os produtos russos continuarão a ser comprados na Ásia, especificamente na Índia e na China.

Sobre os limites de preço dos produtos russos que podem entrar em vigor no próximo mês, Birol disse estar preocupado com o fornecimento de diesel.

"Parece um pouco mais complicado e espero que não leve a desafios e restrições nos mercados de produtos, especialmente para o diesel."