Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.800,79
    -3.874,54 (-3,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.868,32
    -766,28 (-1,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,81
    +0,19 (+0,26%)
     
  • OURO

    1.816,90
    -18,90 (-1,03%)
     
  • BTC-USD

    41.743,98
    +219,44 (+0,53%)
     
  • CMC Crypto 200

    955,03
    +5,13 (+0,54%)
     
  • S&P500

    4.395,26
    -23,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.935,47
    -149,06 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.032,30
    -46,12 (-0,65%)
     
  • HANG SENG

    25.961,03
    -354,29 (-1,35%)
     
  • NIKKEI

    27.283,59
    -498,83 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    14.966,50
    -71,25 (-0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1880
    +0,1475 (+2,44%)
     

Biosferas semelhantes à Terra podem ser ainda mais raras, revela estudo

·3 minuto de leitura

Quando astrônomos procuram por planetas potencialmente habitáveis, eles buscam por mundos que orbitem suas estrelas a uma distância que permita a presença de água líquida, elemento fundamental para a vida como a conhecemos — mas este não é o único fator. A fotossíntese, responsável pela produção de oxigênio, é um dos mais importantes processos químicos da biosfera e ela depende da quantidade de energia solar que o nosso planeta recebe. Segundo um novo estudo, nenhum dos exoplanetas conhecidos hoje que são semelhantes ao nosso possui as condições ideais para sustentar uma biosfera, pois não receberiam a quantidade suficiente de energia de suas estrelas hospedeiras.

Até o momento, mais de 4 mil exoplanetas foram descobertos e alguns deles são até parecidos com a Terra. Além de rochosos, muitos desses mundos aparentam orbitar suas estrelas a uma distância que, em teoria, permitiria a presença de água líquida. O estudo, publicado na Monthly Notices of the Royal Astronomical Society, avaliou as condições básicas para a fotossíntese baseada em oxigênio em 10 exoplanetas semelhantes ao nosso, de massas conhecidas e que orbitam nas chamadas zonas habitáveis de suas estrelas.

A linha traçada em vermelho determina a quantidade de energia necessário que um planeta precisa receber de sua estrela para sustentar uma biosfera (Imagem: Reprodução/Giovanni Covone/Universidade de Nápoles)
A linha traçada em vermelho determina a quantidade de energia necessário que um planeta precisa receber de sua estrela para sustentar uma biosfera (Imagem: Reprodução/Giovanni Covone/Universidade de Nápoles)

No entanto, a equipe de astrônomos da Universidade de Nápoles, na Itália, descobriu que estar em uma zona habitável — ou seja, ter a presença de água líquida — não é garantia para que a vida se desenvolva em um planeta. A Terra, além de estar nesta zona, possui alguns mecanismos, como plantas e microorganismos, que transformam a luz solar em matéria orgânica e, como subproduto o oxigênio, mas este processo necessita da quantidade certa de luz solar. A pesquisa revelou que nem todas as estrelas que abrigam exoplanetas parecidos com a Terra são capazes de fornecer a energia necessária.

Para isso, os pesquisadores estimaram quanta radiação fotossinteticamente ativa (PAR, sigla em inglês) estes exoplanetas recebem de suas estrelas, de acordo com a faixa de onda que organismos fotossintéticos na Terra são capazes de usar, entre 400 e 700 nanômetros. A análise revelou que estes mundos normalmente orbitam estrelas que são muito frias, ou seja, que não fornecem a quantidade necessária de PAR. Entre todos os exoplanetas analisados, apenas um, o Kepler 442-b, uma superterra a 1.200 anos-luz de distância, recebeu PAR suficiente para sustentar uma grande biosfera.

Concepção artística do exoplaneta Kepler 442-b (à esquerda) em comparação à Terra (À direita) (Imagem: Reprodução/Ph03nix1986/Wikimedia Commons)
Concepção artística do exoplaneta Kepler 442-b (à esquerda) em comparação à Terra (À direita) (Imagem: Reprodução/Ph03nix1986/Wikimedia Commons)

Embora os astrônomos tenham utilizado uma amostra de exoplanetas muito pequena, a maioria das estrelas que habitam a Via Láctea são anãs vermelhas, ou seja, estrelas fracas com cerca de um terço da temperatura do Sol. Com isso, os pesquisadores presumem que as condições que impulsionam o desenvolvimento da vida pode ser raras. "Como as anãs vermelhas são de longe o tipo mais comum de estrela em nossa galáxia, este resultado indica que as condições semelhantes às da Terra em outros planetas podem ser muito menos comuns do que esperamos", explica o professor Giovanni Covone, principal autor do estudo.

Já as estrelas mais quentes do que o Sol até podem fornecer a quantidade de PAR necessária, mas elas queimam mais rápido, o que significa que provavelmente morreriam antes que qualquer forma de vida complexa tivesse a chance de evoluir nesse mundo. “Este estudo impõe fortes restrições ao espaço de parâmetros para a vida complexa, então, infelizmente, parece que o 'ponto ideal' para hospedar uma biosfera semelhante à da Terra não é tão amplo", acrescenta Covone.

Apesar dos milhares de exoplanetas descobertos, pouco se sabe sobre eles — em parte, por conta das grandes distâncias que dificultam a observação detalhada desses planetas. A expectativa é que, com novas ferramentas, como o Telescópio Espacial James Webb, programado para ser lançado no fim deste ano, os astrônomos consigam aprender mais sobre esses mundos alienígenas e a possibilidade de formas de vida complexas nele.

O estudo foi publicado em 23 de junho na revista Monthly Notices of the Royal Astronomical Society.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos