Mercado abrirá em 3 h 21 min
  • BOVESPA

    112.764,26
    +3.046,26 (+2,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.853,37
    +392,77 (+0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    88,76
    -3,33 (-3,62%)
     
  • OURO

    1.797,30
    -18,20 (-1,00%)
     
  • BTC-USD

    24.036,99
    -701,39 (-2,84%)
     
  • CMC Crypto 200

    570,53
    -0,75 (-0,13%)
     
  • S&P500

    4.280,15
    +72,88 (+1,73%)
     
  • DOW JONES

    33.761,05
    +424,35 (+1,27%)
     
  • FTSE

    7.506,01
    +5,12 (+0,07%)
     
  • HANG SENG

    20.040,86
    -134,76 (-0,67%)
     
  • NIKKEI

    28.871,78
    +324,80 (+1,14%)
     
  • NASDAQ

    13.507,50
    -70,25 (-0,52%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1906
    -0,0129 (-0,25%)
     

Biopainel solar com algas gera energia elétrica enquanto despolui o ar

Uma empresa mexicana chamada Greenfluidics apresentou uma ideia de biopainéis solares ecológicos que usam algas para capturar gás carbônico do ar e produzir biomassa que pode ser usada como combustível ou fertilizante. O equipamento poderia ser usado no exterior de casas e edifícios também para capturar calor e deixar os ambientes internos mais frescos.

O sistema funciona de uma maneira razoavelmente simples. Os painéis coletam o gás carbônico do ar e o borbulham em água com algas selecionadas para a realização da fotossíntese, que retém o carbono e libera novamente o oxigênio para o ar.

A ideia não é totalmente nova, no entanto. Ela já foi aplicada de maneira similar em um prédio conceitual em Hamburgo, na Alemanha, em um edifício chamado BIQ.

No caso alemão, quanto mais sol o painel recebe, mais eficiente será o processo de fotossíntese, e mais rápido crescerão as algas. Elas podem ter seu excesso removido do sistema para utilização como biocombustível, que pode devolver ao prédio uma parte da energia necessária para o sistema de aquecimento de água do edifício. O calor absorvido pela exposição à luz solar também é utilizado para essa finalidade.

A Greenfluidics se propõe a um formato um pouco diferente de biopainel, principalmente na forma como o calor do sol é aproveitado. Segundo Miguel Mayorga, CEO da startup mexicana, eles utilizam nanofluidos, compostos de partículas recicláveis de carbono, que são adicionados à água.

Painel com algas poderia ser usado em janelas estilosas (Imagem: Divulgação/Greenfluidics)
Painel com algas poderia ser usado em janelas estilosas (Imagem: Divulgação/Greenfluidics)

A mistura aumenta a condutividade térmica do líquido, o que viabiliza a transformação do calor em corrente, que pode ser direcionada para o edifício em forma de eletricidade, e não apenas como um sistema de aquecimento. Na prática, o sistema funciona quase como um painel solar convencional, mas com as outras vantagens ambientais de captura de carbono e liberação de oxigênio.

Funciona bem mesmo?

Essa questão ainda é nebulosa, no entanto. A promessa da Greenfluidics é animadora. Segundo o site oficial, cada biopainel pode gerar até 328 kWh por metro quadrado anualmente, o que seria um bom resultado. Além disso, a companhia aponta que o conforto térmico gerado pelo equipamento pode produzir a economia de 90 kWh por metro quadrado, que seriam usados em sistemas de ar-condicionado.

A questão é que esse desempenho superaria os resultados de painéis fotovoltaicos convencionais comercialmente disponíveis, o que pode indicar que a startup foi otimista demais em sua promessa.

Além disso, ainda existem questões de viabilidade. A empresa ainda não dá estimativa de preço, mas isso é um ponto que não pode ser ignorado, já que valores muito acima de um painel solar convencional vão desencorajar potenciais interessados. Vale notar que, no exemplo do BIQ, a utilização do painel com algas aumentou o custo da obra por volta de 10 vezes. Também não há informações sobre durabilidade, que é outro ponto que não deve ser subestimado quando se fala em componentes orgânicos.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos