Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.672,76
    -3.755,42 (-3,28%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.402,73
    -283,30 (-0,54%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,14
    +0,18 (+0,22%)
     
  • OURO

    1.768,50
    -2,00 (-0,11%)
     
  • BTC-USD

    64.192,43
    +2.009,35 (+3,23%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.488,00
    +24,64 (+1,68%)
     
  • S&P500

    4.519,63
    +33,17 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    35.457,31
    +198,70 (+0,56%)
     
  • FTSE

    7.217,53
    +13,70 (+0,19%)
     
  • HANG SENG

    25.787,21
    +377,46 (+1,49%)
     
  • NIKKEI

    29.215,52
    0,00 (0,00%)
     
  • NASDAQ

    15.408,00
    +9,50 (+0,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5068
    +0,0106 (+0,16%)
     

BioNTech passa a testar terapia de RNA mensageiro contra câncer

·1 minuto de leitura

A BioNTech desenvolveu, juntamente com a Pfizer, uma vacina contra COVID-19 que utiliza RNA mensageiro, sob função de orientar a síntese de proteínas, estruturas cujo papel central em todos os seres vivos é a manifestação das características hereditárias contidas no DNA. Acontece que a empresa está concentrada em levar essa técnica ao combate contra o câncer.

A princípio, a empresa está testando o tratamento para examinar se ele pode ser eficaz no combate às células cancerígenas em humanos, produzindo proteínas que combatem o tumor. No estudo, os pesquisadores desenvolveram uma mistura de mRNA que faria citocinas (proteínas produzidas naturalmente pelas células do sistema imunológico para combater as células cancerosas).

Semelhante à vacina contra COVID-19 da Pfizer/BioNTech, a nova terapia ensina o corpo a produzir a proteína desejada. Neste caso, proteínas antitumorais que ajudam o organismo a combater as células cancerígenas.

(Imagem: Colin Behrens/Pixabay)
(Imagem: Colin Behrens/Pixabay)

Os resultados do estudo mostraram que quando a mistura de mRNA foi injetada em camundongos com dois tipos diferentes de câncer (de pele e de pulmão), uma resposta imune foi desencadeada, com direito a uma produção de citocinas em uma quantidade capaz de diminuir os tumores em 17 de 20 camundongos em menos de 40 dias.

Alguns dos animais mostraram que a terapia viaja para fora do local do câncer de pele direcionado, para células de câncer de pulmão, onde respostas antitumorais avançadas foram registradas, melhorando ainda mais a sobrevivência e a redução do tumor. O estudo completo pode ser visto aqui.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos