Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.937,87
    +1.057,05 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.371,98
    +152,72 (+0,31%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,27
    0,00 (0,00%)
     
  • OURO

    1.866,40
    -1,20 (-0,06%)
     
  • BTC-USD

    42.724,30
    -2.864,18 (-6,28%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.195,01
    -2,91 (-0,24%)
     
  • S&P500

    4.163,29
    -10,56 (-0,25%)
     
  • DOW JONES

    34.327,79
    -54,34 (-0,16%)
     
  • FTSE

    7.032,85
    -10,76 (-0,15%)
     
  • HANG SENG

    28.194,09
    +166,52 (+0,59%)
     
  • NIKKEI

    27.824,83
    -259,67 (-0,92%)
     
  • NASDAQ

    13.292,00
    -11,50 (-0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4106
    +0,0007 (+0,01%)
     

BioNTech acredita na aprovação de vacina contra covid na UE para jovens de 12 e 15 anos

·1 minuto de leitura
Ugur Sahim e a esposa Ozlem Tureci, fundadores da BioNTech, durate evento em Berlim em 19 de março de 2021

O laboratório alemão BioNTech está prestes a apresentar à União Europeia (UE) um pedido para que sua vacina contra a covid-19, desenvolvida em parceria com a americana Pfizer, seja autorizada para adolescentes entre 12 e 15 anos a partir de junho.

"Na Europa, estamos nas últimas etapas antes de apresentar os dados dos testes clínicos à Agência Europeia de Medicamentos (EMA) e a validação levará entre quatro e seis semanas", afirmou Ugur Sahin, cofundador e diretor da BioNTech, à revista alemã Spiegel.

No momento, a vacina está autorizada apenas para as pessoas com mais de 16 anos.

Nos Estados Unidos, a BioNTech e sua sócia Pfizer apresentaram no início de abril um pedido para ampliar a autorização da vacinação e alcançar a população de entre 12 e 15 anos.

O pedido é baseado em dados de testes clínicos em fase 3 nesta faixa de idade publicados no fim de março, que "demonstraram eficácia de 100%" para evitar a doença, segundo os laboratórios.

A vacina também foi "bem tolerada e os efeitos colaterais observados estavam em linha com os registrados" entre as pessoas de entre 16 e 25 anos, afirmaram os laboratórios.

Para as crianças com idades entre 5 e 12 anos, Sahin acredita que existirão mais dados clínicos em julho e que tudo indica que pode acontecer uma autorização em setembro, quando as crianças retornam às aulas no hemisfério norte.

Na quarta-feira, Sahin afirmou que na Europa será possível alcançar uma "imunidade coletiva em julho ou no mais tardar agosto", e expressou confiança na vacina para combater novas variantes do vírus como a registrada na Índia.

ys/ylf/bl/zm/fp