Mercado fechará em 5 h 31 min
  • BOVESPA

    109.915,87
    -224,77 (-0,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.874,91
    -1.144,00 (-2,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,04
    +0,16 (+0,21%)
     
  • OURO

    1.928,10
    -2,70 (-0,14%)
     
  • BTC-USD

    23.505,75
    -299,32 (-1,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    536,66
    -8,65 (-1,59%)
     
  • S&P500

    4.179,76
    +60,55 (+1,47%)
     
  • DOW JONES

    34.053,94
    -39,02 (-0,11%)
     
  • FTSE

    7.855,90
    +35,74 (+0,46%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.754,00
    -92,75 (-0,72%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5298
    +0,0401 (+0,73%)
     

Binance anuncia alta na base de clientes apesar de inverno cripto

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Binance divulga relatório nesta quinta (19) que mostra aumento de 15% na base de clientes institucionais ativos no Brasil em 2022.

Segundo a empresa, o mercado brasileiro é um dos dez maiores da corretora de criptomoedas no mundo, e o avanço aconteceu mesmo durante o chamado "inverno cripto", em que as cotações de Bitcoin e Ethereum despencaram mais de 50%. A empresa não divulga o tamanho da base de clientes.

O relatório global da companhia aponta um crescimento de 65% entre clientes institucionais, com expansão em negócios de alta renda.

No ano passado, a corretora deixou a parceria que tinha com a Capitual desde 2020, após questões de regulação do Banco Central. A troca gerou problemas judiciais, com processos de clientes que tiveram problemas em sacar o dinheiro investido em criptomoedas.

Entre os percalços de 2022, no fim do ano passado, a corretora de moedas digitais disse que os depósitos já estavam retornando à empresa, depois de uma onda de fortes saídas de criptomoedas em que a Binance registrou saques de US$ 1,9 bilhão (R$ 10,1 bilhões) em 24 horas, segundo a empresa de dados blockchain Nansen.

A turbulência atravessada pelos bitcoins abalou concorrentes como a FTX, que declarou falência em novembro e é apontada como responsável por um dos maiores esquemas de fraude do mercado financeiro no mundo.

A Binance chegou a fazer uma oferta de compra para a FTX, mas retirou a proposta logo após a divulgação dos casos de fraude comandada pelo dono da companhia, Sam Bankman-Fried. Até então, a FTX era a terceira maior plataforma de criptomoedas do mundo.